Voluntários vão contar sem-abrigo da cidade de Lisboa

Voluntários vão contar sem-abrigo da cidade de Lisboa
Mil e duzentos voluntários vão participar na recontagem dos sem-abrigo na cidade de Lisboa, a 14 de maio, adiantou hoje fonte Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), que promove este mapeamento pela segunda vez em ano e meio.
 
Na primeira contagem, realizada a 12 de dezembro de 2013 e que envolveu cerca de 800 voluntários, foram sinalizados 509 sem-abrigo nas ruas de toda a cidade de Lisboa e 343 que, nessa noite, dormiram em Centros de Acolhimento.
 
A recontagem, que terá a colaboração das juntas de freguesia e das associações que trabalham com a população sem-abrigo, vai decorrer entre as 21:00 e as 24:00, seguindo a mesma metodologia usada em 2013, mas com mais 400 voluntários a percorrerem as 7.000 ruas da capital.
 
"Vai ser quase igual [à primeira contagem]. A única alteração é que vamos acolher mais voluntários. Quando fizemos a primeira contagem abrimos a possibilidade de voluntários se inscreverem e tivemos de não aceitar alguns, porque não tínhamos condição de coordenação de equipas para o fazer. Neste momento assumimos que podíamos fazer o acompanhamento de 1200 voluntários o, que nos permitirá [ter] mais olhos sobre a realidade", explicou à agência Lusa a administradora da Ação Social da SCML, Rita Valadas.
 
A responsável diz que a recontagem estava prevista para o final deste ano, com o objetivo de se avaliar a evolução da situação dos sem-abrigo em Lisboa, mas foi antecipada devido às condições meteorológicas, uma vez que este mês é mais "ameno" e fora do pico do inverno e do verão, épocas em que esta população é mais volátil e inconstante.
 
"À semelhança da primeira edição, a base geográfica de referência é a freguesia. Esta iniciativa já foi apresentada às instituições parceiras, no âmbito do núcleo que trabalha com os sem-abrigo, e às juntas de freguesia", afirmou Rita Valadas.
 
As entidades "têm envolvidas todas as instituições que trabalham no eixo de planeamento com os sem-abrigo e participações diferentes das juntas de freguesia, até porque algumas têm o fenómeno muito presente e outras nem por isso", explicou.
 
A recontagem visa avaliar o número, a tipologia e eventuais alterações da população sem-abrigo da capital, neste ano e meio.
 
A administradora da Ação Social da SCML destacou que, desde dezembro de 2013 até agora, os representantes da Santa Casa "não estiveram de braços cruzados" e que foram implementadas medidas no terreno, com vista a melhorar as condições da população sem-abrigo da capital.
 
"Organizámos a estrutura, definimos os eixos de atuação com a população sem-abrigo, e responsabilizamos por eixo uma instituição. Temos uma sede, no Cais do Sodré, de onde parte todo o trabalho com esta população", frisou, acrescentando que a recontagem pretende também "medir até que ponto há reconhecimento disto e [se] as pessoas [se] sentem mais protegidas e mais próximas das instituições, e encontrar soluções".