Volkswagen Amarok patrulha praias de Portugal

Volkswagen Amarok patrulha praias de Portugal

O Instituto de Socorros a Náufragos recebeu, em cerimónia realizada na SIVA, 25 viaturas Volkswagen Amarok destinadas ao patrulhamento das praias da costa portuguesa. As viaturas ficarão espalhadas de Norte a Sul - de Viana do Castelo a Vila Real de Santo António.

Todos os operacionais que trabalharão com as viaturas pertencem ao Corpo de Fuzileiros da Marinha, estando como o Amarok aptos para enfrentar os desafios mais difíceis. Antes de receber as novas viaturas decorreu uma acção de formação de modo a familiarizar todos com as características do Amarok e as particularidades do novo projecto “Sea Watch”. Os concessionários Volkswagen são uma parte importante do projecto “Sea Watch”, assegurando localmente o apoio necessário na manutenção dos Amarok.

Sendo as viaturas com melhores capacidades todo o terreno da frota do ISN, serão destacadas para as praias de acessos mais difíceis e onde possam ocorrer mais frequentemente situações de perigo prementes.

As praias portuguesas estão portanto mais seguras na época balnear de 2012 – contam com o deus lobo da Volkswagen para as vigiar – o Amarok.

O ano passado já tinham sido entregues 14 Volkswagen Amarok ao ISN que integraram o projecto “SeaWatch”, criado com o objectivo de contribuir para a segurança das zonas balneares através de meios complementares de salvamento e educação e sensibilização cívica.

A parceria entre a SIVA e o ISN em 2011, com a entrega das Pick Up, revelou-se um enorme sucesso, excedendo todas as expectativas iniciais. As reacções positivas às viaturas e à sua contribuição para o salvamento de vidas nas praias portuguesas, foram determinantes para a assinatura do novo protocolo que atribui à Volkswagen Amarok a vigilância e segurança exclusiva dos banhistas.

Em 2011, durante 01 de Junho a 30 de Setembro de 2011, as pick-ups da Volkswagen participaram em 292 assistências balneares, 814 assistências de primeiros socorros e 142 buscas com sucesso de crianças perdidas nas praias, tendo contribuído desta forma para que Portugal tivesse sido um dos Países do mundo com as menores taxas de mortalidade nas praias durante a época balnear.