Violoncelista Isabel Vaz venceu o Prémio Festival Estoril Lisboa

Violoncelista Isabel Vaz venceu o Prémio Festival Estoril Lisboa
A violoncelista Isabel Vaz venceu o Prémio Festival Estoril Lisboa/El Corte Inglés, anunciou hoje a organização do certame que encerra na sexta-feira, com a estreia em Portugal da ópera "Lord Takayama Ukon", de Manuel Perez Maramba.
 
Com esta vitória, Isabel Vaz arrecadou um prémio no valor pecuniário de três mil euros e ainda a possibilidade de se apresentar em concertos, com orquestra, no próximo Festival Estoril -- Lisboa, e atuar com a Orquestra Sinfónica Portuguesa, na temporada de 2017/18.
 
Isabel Vaz apresentar-se-á também em concertos, na temporada de 2017/18, com as orquestras Clássica do Sul, Filarmonia das Beiras e a de Câmara de Cascais e Oeiras.
 
A violoncelista, que em 2013 terminou o mestrado em 'performance' no Conservatório de Amesterdão, na classe de Dmitry Ferchstman e Maarten Mostert, apresentar-se-á em concerto no XXIII Cistermúsica - Festival de Música de Alcobaça, no próximo ano, e irá fazer uma gravação para a RDP/Antena 2.
 
De 2013 a 2015, Isabel Vaz foi violoncelista no Quartetto Indaco, de Milão, 'ensemble' que se apresentou em vários festivais e recitais na Europa e se "distinguiu em vários concursos, nomeadamente, o Concorso di Musica da Camera Guido Papini, em 2013", além de ter recebido o galardão Jeunesse Musical Deutschland, no Premio Borciani, em 2014, foi 3.º classificado no Concorso Val Tidone, em 2014, e recebeu Prémio Especial discográfico no concorso Salieri Zinetti, no ano passado.
 
Em 2014/15, o quarteto milanês frequentou o programa de mestrado em quarteto de cordas na Hochschule de Hannover (escola superior das artes), na Alemanha, com Oliver Wille.
 
Desde o ano passado, a violoncelista portuguesa faz parte da Noord Nederlands Orkest. Segundo a mesma fonte, Isabel Vaz "dedica-se ainda à música de câmara, é violoncelista do Haarlem Piano Trio [na Holanda], do qual faz também parte seu marido, o violinista Eduardo Paredes, e com quem se apresenta também em duo".
 
"Os dois são diretores artísticos de um festival internacional de música de câmara, cuja primeira edição terá lugar em breve, em Faro", adiantou à Lusa a mesma fonte.
 
O 2.º prémio, no valor pecuniário de mil euros, foi para Samuel Bastos, em oboé, e, o 3.º, no valor de 759 euros, foi para Marina Camponês, em flauta, tendo ainda o júri atribuído uma Menção Honrosa e ao violinista Filipe Abreu, que ganhou o Prémio Público, que tem o valor pecuniário de 250 euros.
 
O júri foi constituído pela professora de música Maria Teresa de Macedo, que presidiu, Nuno Pólvora, do Teatro Nacional de São Carlos, e o professor de música Mário Marques, em representação do Festival de Estoril Lisboa.
 
O pianista Vasco Dantas foi o vencedor, no ano passado, deste galardão.