Vila Joya deixa Seteais com vontade de repetir temporada fora do Algarve

 Vila Joya deixa Seteais com vontade de repetir temporada fora do Algarve
A equipa do restaurante com duas estrelas Michelin Vila Joya (Algarve) terminou uma temporada de dois meses em Sintra, uma experiência “definitivamente a repetir”, garantiu à Lusa o chef Dieter Koschina.
Desde 13 de dezembro até ao passado sábado, a equipa do cozinheiro austríaco esteve “instalada” na cozinha do Tivoli Palácio de Seteais, em Sintra, numa iniciativa inédita do Vila Joya, restaurante com duas estrelas do guia Michelin e um dos 50 melhores do Mundo, segundo a Restaurant Magazine.
A procura excedeu as expectativas: “Tivemos muito mais clientes do que esperávamos, e, no segundo mês, esteve praticamente cheio todos os dias”, disse à Lusa o diretor geral do Vila Joya, Gebhard Schachermayer, referindo que a reação dos clientes foi “ótima”, porque “todos ficaram satisfeitos por ter esta cozinha perto de Lisboa, num ótimo local como o Palácio de Seteais”.
Alguns clientes, acrescentou, questionaram mesmo quando o Vila Joya voltaria a Seteais, uma hipótese que não está posta de parte.
A iniciativa pretendeu aproveitar a época baixa no Algarve - o hotel e o restaurante Vila Joya, em Albufeira, estiveram encerrados nos últimos três meses - e “perceber como e de que maneira o conceito” do Vila Joya funcionaria fora do seu ambiente habitual, explicou à Lusa Gebhard Schachermayer.
Para o diretor geral do Tivoli Palácio de Seteais, João Corte-Real, esta foi “uma oportunidade de alargar o leque de experiências dos clientes com uma oferta de gastronomia de luxo proporcionada por Vila Joya, no ambiente único de Seteais”.
O restaurante, com capacidade para 20 pessoas, funcionou de quinta-feira a domingo, com almoços com três pratos a custar 95 euros, sem bebidas, e ao jantar, os menus de seis pratos rondavam os 165 euros, com as ofertas a mudar a cada três semanas.
Lavagante do Atlântico com couve-flor e tapioca, texturas de pombo mieral com alcachofra de Jerusalém e avelã, e ostras Gillardeau com ravioli de aipo e caviar imperial foram alguns dos pratos de assinatura que os clientes tiveram oportunidade de provar.
A experiência, que implicou literalmente “transferir” a cozinha do Vila Joya para o Palácio de Seteais foi “bastante positiva e muito proveitosa”, disse Schachermayer.
“Não estávamos a usar a cozinha do Palácio de Seteais, construímos uma nova”, descreveu o chef Dieter Koschina.
Os responsáveis do Vila Joya admitem repetir esta experiência no próximo inverno, mas, até lá, irão “a alguns locais mostrar a cozinha do Vila Joya, mas só por um dia, nunca por dois meses”.
Para o cozinheiro austríaco, é “definitivamente algo para repetir”. 
A permanência em Sintra, com um clima diferente do soalheiro Algarve, até trouxe novas inspirações a Dieter Koschina: “Eu senti-me inspirado pelo clima, pois fez-me lembrar o clima da minha cidade natal”, reconheceu.