Utentes protestam contra falta de médicos em Algueirão-Mem Martins

Utentes protestam contra falta de médicos em Algueirão-Mem Martins
Utentes do centro de saúde de Algueirão-Mem Martins realizaram hoje de manhã uma vigília contra a falta de médicos, em frente desta unidade do concelho de Sintra, que dizem funcionar sem condições em parte de um edifício de habitação.
 
"A situação está um bocado caótica, porque andam a proceder a uma série de alterações na distribuição dos médicos de família no concelho e não há contacto nenhum com a população, ou seja, o utente não é avisado", afirmou à Lusa Paula Borges, da Comissão de Utentes da Saúde do Concelho de Sintra (CUSCS).
 
No caso de Algueirão-Mem Martins, à semelhança de outras unidades do município, a falta de médicos obriga os utentes a deslocarem-se muito cedo, ainda de madrugada, para marcar consulta, esperando à chuva e ao frio pela abertura de portas.
 
De acordo com dados oficiais, em junho de 2016 estavam ao serviço 13 médicos de família, em novembro estavam 12 médicos e hoje "estavam só nove", explicou a porta-voz da CUSCS.
 
"O problema que se coloca, a acrescer ao que é habitual, é que terá havido alguns médicos que foram transferidos para Rio de Mouro", notou Paula Borges, acrescentando que a ausência de informação cria problemas adicionais aos utentes.
 
A vigília da CUSCS e de utilizadores do centro de saúde, a partir das 07:30, visou a "denúncia do agravamento continuado e deliberado das condições de acesso ao Serviço Nacional de Saúde" e a saída de médicos "sem terem sido substituídos, tornando a situação insuportável para os utentes".
 
Segundo Paula Borges, os dados oficiais revelam que "estão em falta dez médicos" e que "é o centro de saúde que apresenta o maior défice em médicos de família, que também serve uma população muito mais alargada".
 
"Podemos afirmar que cerca de 30 mil utentes não têm médico de família, contando com utilizadores regulares e aqueles que puseram fora, quando limparam os ficheiros", acusou.
 
A unidade de saúde, frisou, "tem o problema que existe em todo o concelho, que é generalizado", de falta de médicos, de enfermeiros suficientes e de outro pessoal técnico.
 
A carência de meios estende-se a todo o município, uma vez que, com base nos dados do Ministério da Saúde, desde junho até novembro existia "um défice de 46 médicos", vincou.
 
"Reivindicamos que seja resolvida esta questão da transferência dos médicos e que sejam dados esclarecimentos cabais aos utentes. As pessoas não podem ser tratadas desta forma", reiterou Paula Borges.
 
A comissão de utentes reclama que seja construído de raiz um novo centro de saúde, já anunciado pelo Ministério e pela autarquia, "que tenha as valências para uma população de mais de 80 mil habitantes".
 
"O hospital continua a não estar resolvido, enquanto não apresentarem um hospital a sério. Aquilo que se prevê não é claramente solução para o concelho. O que está em cima da mesa é um polo do hospital Amadora-Sintra e não resolve o problema", disse a representante dos utentes.
 
A câmara contratualizou com o Governo a construção de cinco novos centros de saúde, incluindo em Algueirão-Mem Martins, e está a negociar um novo polo hospitalar na zona da Cavaleira, com alargamento do atendimento do Hospital de Cascais a parte do concelho.