Utentes dos transportes de Cascais vão poupar até 12 euros por mês

Utentes dos transportes de Cascais vão poupar até 12 euros por mês
A Câmara de Cascais apresentou um passe intermodal, com estacionamento, bicicleta, comboios e autocarros, que permitirá uma poupança aos utentes até 12 euros, mas o presidente da autarquia insiste no melhoramento da linha ferroviária.
 
Carlos Carreiras chegou ao Cais do Sodré (Lisboa) de comboio, saído de Cascais, faltava pouco para as 10:30, acompanhado de outros elementos do executivo, para constatar a comodidade do transporte.
 
"Chegou a horas e vim com todo o conforto, mas o que falta fazer é tirar passageiros do transporte individual e colocá-los no transporte coletivo e isso não tem nada de ideológico ou partidário", disse aos jornalistas.
 
É com esse propósito que a Câmara de Cascais anunciou hoje que, a partir de 01 de fevereiro, vai estar disponível um passe combinado, que inclui estacionamento, bicicletas partilhadas, comboio da CP e autocarros da Scotturb, numa redução de preço que pode chegar aos 26%.
 
Atualmente, quem estaciona o carro nos parques junto às estações e depois vai de comboio Cascais-Lisboa paga 60,4 euros de passe, mas a partir de fevereiro esse valor vai baixar em 20%, para 48,4 euros.
 
Já quem utiliza os autocarros da Scotturb e depois vai de comboio até Lisboa terá uma redução no passe mensal de 16%, passando a pagar 63,4 euros, em vez dos atuais 75,1 euros.
 
A redução maior (26%) será para quem utiliza os autocarros da Scotturb, cujo passe mensal custa, atualmente, 27,10 euros e vai passar a custar 20 euros.
 
A Câmara de Cascais promete, segundo o presidente da autarquia, continuar a investir em mais parques estacionamento junto às estações ferroviárias e anunciou também uma nova carreira da Scotturb que vai ligar Carcavelos a São Domingos de Rana.
 
"A política de mobilidade é pilar fundamental da democracia e levar a que seja possível reduzir preços", sustentou o autarca.
 
O acordo do novo passe combinado do MobiCascais foi assinado esta manhã por Carlos Carreiras, o presidente da CP, Manuel Queiró, e um representante da Scotturb.
 
Para Manuel Queiró, os resultados da nova política de transportes na Linha de Cascais "já começam a ser visíveis", apontando o crescimento de 2,9% no número de passageiros em 2016, em relação a 2015, contrariando a tendência de anos interiores, em que se registava uma diminuição significativa de passageiros.
 
"Esta inversão da tendência já mostra que as pessoas estão a ficar mais satisfeitas", acrescentou o presidente da CP aos jornalistas, adiantando que, "em breve", haverá novidades quanto à disponibilização de rede Wi-fi nos comboios da Linha de Cascais.
 
Já para Carlos Carreiras, os cerca de 3% de aumento de passageiros é "poucochinho" para a "grande ambição" da autarquia na área dos transportes.
 
"Espero que com todos estes desenvolvimentos seja dada, de uma vez por todas, uma solução para a Linha de Cascais que, se não tiver investimento, está em vias de extinção", acrescentou.
 
O autarca voltou a criticar a "inércia" do Governo em dar melhores condições à linha ferroviária de Cascais.
 
"Nós temos soluções alternativas, mas o Governo está completamente surdo, não quer ouvir os municípios, já que Oeiras e Lisboa também estão envolvidos. Não percebemos porquê", afirmou.
 
O Ministério do Planeamento e das Infraestruturas assegurou, em resposta a críticas anteriores de Carlos Carreiras, que "ninguém desistiu" da linha ferroviária de Cascais e que a intervenção integra o Plano Ferrovia 2020.