Utentes de Odivelas querem conhecer prazos para construção de centro de saúde

Utentes de Odivelas querem conhecer prazos para construção de centro de saúde
O Movimento Mais Saúde de Odivelas anunciou hoje que vai pedir reuniões à câmara local e ao Governo para "esclarecer" quais os prazos para a execução do futuro centro de saúde do concelho.
 
Em causa está um protocolo assinado no final de junho entre a Câmara Municipal de Odivelas e a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), que prevê que o município comparticipe em 30% o valor das obras de construção do futuro centro de saúde da cidade, orçadas em 1,6 milhões de euros.
 
O documento assinado entre as duas entidades não estabelece, no entanto, uma previsão para o início e para a conclusão da obra, facto que está a suscitar dúvidas à associação de utentes de saúde de Odivelas, que admite tratar-se de uma "falsa promessa".
 
"A construção do centro de saúde de Odivelas é uma necessidade urgente e, portanto, não pode continuar a ser uma promessa para vésperas de uma campanha eleitoral", afirmou à agência Lusa Manuel André, do movimento.
 
Manuel André sublinhou que antes deste protocolo tinham sido assinados outros três (2001, 2005 e 2009) relativos às condições de construção do centro de saúde de Odivelas, mas que a obra nunca chegou a concretizar-se.
 
"A assinatura deste novo protocolo não nos convenceu e deixou-nos muitas dúvidas. Vamos solicitar reuniões à ARSLVT e à Câmara de Odivelas para que nos indiquem, nomeadamente, os prazos de execução, os custos, a população abrangida e a colocação de pessoa necessária ao bom funcionamento do centro de saúde", apontou.
 
Em declarações anteriores à Lusa, a presidente da Câmara de Odivelas, Susana Amador (PS), explicou que, além de comparticipar em 30% os custos da obra, realizada em terrenos cedidos pelo município, a autarquia ficará também responsável pelos arranjos exteriores.
 
O futuro centro de saúde da cidade de Odivelas, ainda sem previsão de construção e abertura, irá servir cerca de 41 mil utentes.