Uber admite distribuir serviços para taxistas em Portugal

Uber admite distribuir serviços para taxistas em Portugal
O diretor geral da Uber em Portugal, Rui Bento, admite que a empresa pode começar a distribuir serviços para táxis em Lisboa e no Porto, à semelhança do que já acontece noutras cidades estrangeiras.
 
"Já acontece em múltiplos países a Uber incluir os táxis na sua plataforma, como no Reino Unido e em algumas cidades dos Estados Unidos. A partir do momento em que existe uma base de entendimento e um conjunto de pressupostos que nos permitem garantir que os serviços prestados são bons para os utilizadores, não há razão nenhuma para não o fazermos. Portanto, estamos totalmente abertos para falar sobre o assunto", disse Rui Bento à agência Lusa.
 
A Uber apresenta-se como uma aplicação para 'smartphones' que liga quem se quer deslocar a operadores que transportam passageiros.
 
Numa entrevista à Lusa, o responsável lembrou que, quando a Uber chegou a Portugal, em 2014, trabalhou e ainda trabalha com táxis de letra A e T -- "táxis não caracterizados que também podem prestar serviços ligados à plataforma".
 
Questionado sobre o litígio que opõe aquela plataforma ao setor do táxi, Rui Bento lembrou que "não é a primeira vez que existe este tipo de reação" e defendeu que, "mais do que uma ameaça, a tecnologia pode e deve ser uma oportunidade para o setor se modernizar e melhorar como um todo".
 
Relativamente às acusações de que a Uber e os seus parceiros estão ilegais e não pagam impostos, o responsável assegurou que os operadores com que estabelece parcerias em Portugal "são todos licenciados".
 
"Todos os parceiros que se ligam à plataforma da Uber têm de ser devidamente escrutinados antes de poderem prestar serviços", explicou, acrescentando que "têm de ter licenças em dia e têm de ter todos os seguros aplicáveis por lei".
 
Quanto aos motoristas, a sua documentação também é escrutinada e têm de ter o registo criminal atualizado e limpo.
 
"Os carros têm de estar em perfeitas condições mecânicas e estéticas, têm de corresponder a um conjunto de padrões que nós estabelecemos e têm de ter, todos eles, seguros comerciais que garantem que todos os utilizadores estão sempre protegidos em todas as viagens que fazem com a plataforma da Uber em Portugal", afirmou.
 
Rui Bento referiu ainda que, quando é feita uma viagem através da Uber, o cliente recebe, "automaticamente e sem ter opção", uma fatura eletrónica em que é declarado o valor do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) e na qual consegue colocar os seus dados fiscais.
 
"A partir do momento em que isso acontece [...] todas as viagens são faturadas e o cumprimento de todas as obrigações fiscais torna-se mais simples e muito mais transparente", disse.
 
A Uber, que em Portugal opera em Lisboa e no Porto, tem atualmente mais de mil motoristas ativos de parceiros e presta três serviços distintos: UberBlack (com carros topo de gama), UberX (com veículos de gama mais baixa) e UberGreen (veículos elétricos), que está numa fase experimental.
 
"Lisboa e Porto são as únicas cidades no mundo que têm UberGreen. É uma alternativa de mobilidade 100% elétrica ao mesmo preço do UberX (mais barato)", afirmou.