Tubarão avistado ao largo de Oeiras é inofensivo

Tubarão avistado ao largo de Oeiras é inofensivo

Um novo tubarão foi avistado esta semana ao largo de Oeiras, mas, de acordo com um especialista, estes animais são inofensivos para o Homem e vêm apenas à procura de plâncton e dos pequenos peixes de que se alimentam.

Segundo fonte da Polícia Marítima, um vídeo que circula na Internet desde terça-feira corresponde ao avistamento de um novo tubarão em Santo Amaro de Oeiras, poucos meses depois de outro animal ter sido avistado na mesma zona.

“É um novo avistamento de um tubarão, mas este é pequenino. Não foi nada de relevante”, disse, salientando que, com o aumento da temperatura da água, estes animais aproximam-se mais da costa.

De acordo com Élio Vicente, do Zoomarine, é muito habitual os tubarões aproximarem-se da costa à procura de alimentos, mas estes animais são inofensivos para os humanos.

“Acontece que as pessoas continuam com o preconceito do nome e, sendo um tubarão, é uma coisa perigosa. O cação que nós comemos nos ensopados também é um tubarão, só que as pessoas, quando pensam em tubarão, pensam sempre em perigo”, afirmou.

Élio Vicente salientou que é raro o ano em que não são avistados junto à costa tubarões, animais que pertencem normalmente à espécie dos tubarões-frade, o segundo maior peixe do mundo, a seguir ao tubarão-baleia.

Pode ter 10 a 12 metros de comprimento, mas alimenta-se de pequenos peixes ou do plâncton que existe à superfície das águas.

Desta forma, “é mais fácil quem está na praia ou numa mota de água vê-los à superfície, porque estão simplesmente a alimentar-se”.

“Como as temperaturas estão mais quentes, a água de baixa profundidade aquece mais, o que faz o crescimento das algas e de todos os organismos que se alimentam das algas. E é isso que os tubarões fazem: aproximam-se da costa, porque vão à procura desse alimento que está mais próximo da costa”, disse, destacando que os tubarões “estão junto à costa portuguesa, na costa algarvia, na de Oeiras, de Mira e afins há milhares de anos”.

Existem mais de 500 espécies diferentes de tubarões no mundo inteiro e Portugal é um dos países com maior diversidade deste peixe ao largo da costa.

No entanto, “a maior parte dos tubarões que existem ao largo de Portugal são animais de profundidade, que vêm muito poucas vezes à costa ou à superfície”, e a maior parte deles alimentam-se exclusivamente de pequenos peixes ou de plâncton.

“Não fazem mal, estão no seu habitat natural e nós é que somos os invasores”, considerou Élio Vicente, salientando que “nunca em Portugal existiu um único incidente com tubarões, nestes milhares de anos que os portugueses convivem com a água, nem vai existir enquanto os tubarões que cá estiverem forem estes tubarões”.

Na semana passada pelo menos um outro destes animais foi avistado nas praias do Farol, Furnas e Franquia, em Vila Nova de Milfontes.