Trienal de Arquitetura de Lisboa com múltiplas atividades abertas ao público

Trienal de Arquitetura de Lisboa com múltiplas atividades abertas ao público
A quarta edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa começa com várias inaugurações de exposições, debates, apresentações de livros e outras atividades abertas ao público.
   
Nesta semana de abertura da Trienal de Lisboa -- evento com o tema 'A Forma da Forma', que decorre até 11 de dezembro - estarão em foco aspetos da arquitetura contemporânea, da autoria à construção, da cidade à logística.
 
O evento dedicado à arquitetura vai inaugurar quatro exposições: 'A Forma da Forma', no Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT), 'Obra', na Fundação Calouste Gulbenkian, 'O Mundo nos Nossos Olhos', na Garagem Sul do Centro Cultural Belém (CCB), e 'Sines: Logística à Beira-Mar', na sede da Trienal de Lisboa.
 
A exposição principal, 'A Forma da forma', no MAAT, tem curadoria de Diogo Seixas Lopes - falecido no início deste ano - e um projeto expositivo dos arquitetos Nuno Brandão Costa (Portugal), Kersten Geers (Bélgica) e Mark Lee (Estados Unidos), a exposição 'Obra', na Gulbenkian, terá curadoria de André Tavares e projeto expositivo de Sami Arquitetos (Portugal) e 'O Mundo nos nossos olhos', no (CCB), terá curadoria da FIG Projects (Canadá) e projeto expositivo da Barão - Hutter (Suiça).
 
Na programação estão também previstos sete programas satélite com o objetivo de expandir o campo do debate no território, com outras exposições e eventos que visam reconsiderar a dimensão geográfica de Lisboa e da sua paisagem, da Trafaria à Amadora, passando pelos Paços do Concelho da cidade.
 
Paralelamente, há um conjunto de doze projetos independentes com atividades para explorar várias dimensões da cidade, "da sua arquitetura e da sua relevância para a cultura arquitetónica contemporânea", segundo a Trienal.
 
Um dos projetos associados consiste num conjunto de visitas guiadas gratuitas na Área Metropolitana de Lisboa, a primeira dessas visitas no dia 8 de outubro, pela zona do Parque das Nações, Moscavide, e Olivais Norte.
 
As atividades, segundo a Trienal, são dirigidas ao público de todas as idades e contam com a colaboração de vários especialistas na área da arquitetura, arte, literatura e ensino.