Tribunal de Sintra recusa impugnação do nome do movimento 'Sintrenses com Marco Almeida'

Tribunal de Sintra recusa impugnação do nome do movimento 'Sintrenses com Marco Almeida'

O Tribunal de Sintra rejeitou um pedido de impugnação da candidatura do independente Marco Almeida, vice-presidente do município, apresentado pela coligação PSD/CDS-PP.

De acordo com a decisão do tribunal, a que a agência Lusa teve acesso, a coligação "Sintra Pode Mais" (PSD/CDS-PP) apresentou o pedido de impugnação através do seu mandatário, o músico Luís Represas, fundamentando que o movimento de cidadãos liderado pelo vice-presidente do município não podia utilizar o nome de Marco Almeida no nome da candidatura.

O Tribunal de Sintra julgou improcedente a impugnação e admitiu a candidatura do grupo de cidadãos "Sintrenses com Marco Almeida", alegando que "seria teleologicamente absurdo vedar a utilização do respetivo nome num processo em que está sobretudo em causa o reconhecimento e identificação da proposta eleitoral de cada candidatura".

Marco Almeida, vice-presidente da câmara liderada pelo social-democrata Fernando Seara, foi eleito desde 2001 pela coligação "Mais Sintra" (PSD/CDS-PP) e decidiu avançar com a sua candidatura independente às autárquicas de 29 de setembro depois de a distrital do PSD ter escolhido como candidato o vice-presidente do partido, Pedro Pinto.

Contactado pela agência Lusa, Marco Almeida adiantou que a decisão do tribunal "vai de encontro ao que foram as convicções" da sua candidatura, quando se decidiu a utilização do seu nome na designação "Sintrenses com Marco Almeida".

"Lamento que os partidos que compõem o Governo tenham tentado ganhar na secretaria aquilo que não conseguem obter junto dos sintrenses e procurado inviabilizar a minha candidatura através de um processo burocrático e administrativo", afirmou.A agência Lusa tentou contactar o candidato da coligação PSD/CDS-PP, Pedro Pinto, que se manteve incontactável até ao final da tarde.