Trafaria de mãos dadas contra contentores promete continuar luta no mar

Trafaria de mãos dadas contra contentores promete continuar luta no mar

Mais de um milhar de pessoas formaram, este sábado, um cordão humano que percorreu várias ruas da Trafaria em protesto contra a instalação de um terminal de contentores nesta localidade do concelho de Almada. O número é avançado pela organização, que tem já agendadas novas acções contra a vontade do Governo de construir um mega terminal nesta margem do Tejo.

“No dia 27 de Julho, conjuntamente com surfistas vamos formar uma linha no mar entre as praias de S. João e de S. António, contra a construção deste terminal”, avança Pedro Dionísio, elemento da associação “Contentores na Trafaria, Não”. Em curso está ainda uma carta aberta, já com duas mil assinaturas, a ser entregue ao primeiro-ministro, sublinhando o protesto à construção desta mega infra-estrutura.

O cordão humano “Abraçar a Trafaria, que reuniu população local e não só, contou com a presença da presidente da Câmara de Almada, do presidente da Assembleia Municipal e dos presidentes de junta das freguesias do concelho de Almada.

Para a presidente da Junta de Freguesia da Trafaria, Francisca Parreira, o terminal de contentores coloca em causa a preservação da história e património local, e trava o projecto “há muito desejado pela população”, de ver “reabilitada a frente ribeirinha para atrair turismo e lazer”. Dois sectores que somados à actividade tradicional da pesca, “potenciam o desenvolvimento económico” da localidade.

Em declarações à Lusa, Francisca Parreira alerta ainda que o projecto do terminal de contentores, face à sua área de implementação, terá consequências ambientais. “Todo o aterro e a área que vai eventualmente ser ocupada, se for para dentro do rio, irá provocar alterações no leito do rio, na fauna, na flora e outro tipo de alterações ao nível da deslocação das areias”.

Ao mesmo tempo, acusa o Governo por não ter contemplado a participação das autoridades locais no projecto, e por não existirem estudos concretos sobre a “viabilidade económica” e “impacte ambiental” do mesmo.

Também a presidente da Câmara de Almada, Maria Emília de Sousa, afirma que a autarquia lutou “desde sempre contra esta ameaça” que paira sobre a Trafaria “há dezenas de anos”. E fala mesmo num “massacre” que tem vindo a “destruir o seu potencial de desenvolvimento”.

Entretanto, Pedro Dionísio afirma que para além de estar em causa a sustentabilidade ambiental da Trafaria, o mega terminal “irá destruir as praias da Costa de Caparica – as melhores da Área Metropolitana da Lisboa ”. É que com “a dragagem para os barcos chegarem [à Trafaria], a areia também se irá embora”.

“Economicamente também não faz qualquer sentido, já que todos os especialistas portuários têm avançado que há outras soluções, como Sines ou Setúbal + Lisboa”. Ou seja, “não faz sentido fazer aqui um mega terminal que vai destruir o ambiente, destruir as praias e levar a seguir os contentores para a margem norte”.

Por sua vez a Quercus, através de Rui Berkemeier, considera que este projecto tem algum peso em termos de construção civil numa zona bastante sensível”. Para além do impacte na envolvente natural que esta actividade poderá causar, o ambientalista salienta que outro problema é o projecto obrigar a uma ligação ferroviária que passa por uma extensão de oito quilómetros de arriba fóssil, que é uma zona protegida.

(Foto cedida pela TV Almada)