Trabalhadores do Bingo do Estrela da Amadora concentram-se para reivindicar garantias

Trabalhadores do Bingo do Estrela da Amadora concentram-se para reivindicar garantias
Trabalhadores do Bingo do Clube de Futebol Estrela da Amadora manifestaram-se hoje junto ao Ministério da Economia, em Lisboa, exigindo "garantias de que os 52 postos de trabalho existentes se mantenham" com a nova concessão do espaço.
 
Em declarações à agência Lusa, Maria das Dores Gomes, do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Sul, explicou que "existem, neste momento, 52 trabalhadores que não sabem se no final do mês vão ter ou não o seu posto de trabalho".
 
Em causa está a licença de concessão de jogo atribuída ao Bingo do Clube de Futebol Estrela da Amadora, que vai caducar no dia 31 de outubro.
 
Segundo a sindicalista, está a decorrer um novo concurso de concessão do espaço, mas sem que os trabalhadores tenham sido informados sobre quais as condições e qual será o seu futuro.
 
"Os trabalhadores sentem uma insegurança enorme enquanto ao futuro dos seus postos de trabalho", referiu.
 
A participar na manifestação, Teresa Costa, trabalhadora no bingo há 19 anos, mostrou-se preocupada com a situação, por não querer "ser mais uma a ingressar nas filas de desemprego".
 
"Não sabemos quem é que vai explorar o bingo e a nossa luta é para que nos coloquem nos cadernos de encargos, com os mesmos postos de trabalho e com os mesmos direitos que até aqui temos tido", disse a trabalhadora.
 
Em 2009, o Bingo do Clube de Futebol Estrela da Amadora foi declarado insolvente, num processo em que foram despedidos cerca de 15 trabalhadores, disse Pedro Rochinha, delegado sindical e trabalhador daquele espaço há 20 anos.
 
"Após diversas lutas conseguimos manter os nossos postos de trabalho até hoje, no entanto, estamos a agora a viver na incerteza quanto ao nosso futuro", afirmou.
 
No final da manifestação, os trabalhadores do bingo e os responsáveis pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Sul foram recebidos no Ministério da Economia, onde estiveram reunidos com o secretário de Estado do Turismo.
 
Segundo Pedro Rochinha, na reunião foi comunicado aos trabalhadores que, "até que o concurso público da concessão do bingo seja concluído, vão continuar a trabalhar com as mesmas condições de trabalho".
 
Para sexta-feira, os trabalhadores têm agendada uma reunião com a Direcção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho, em Lisboa, com a presença de responsáveis do Turismo de Portugal, a entidade que explora o bingo - Pataca da Sorte - e com o administrador da insolvência, Paulo Sá Cardoso.
 
A Lusa tentou obter esclarecimentos por parte do Ministério da Economia e do Turismo de Portugal, em relação ao futuro dos 52 postos de trabalho do Bingo do Clube de Futebol Estrela da Amadora, mas até ao momento não foi possível.
 
Na quinta-feira, os trabalhadores concentraram-se junto ao Turismo de Portugal, em Lisboa, e dos contactos com a instituição "não receberam respostas", segundo fonte sindical.
 
Da empresa que explora o bingo, os funcionários apenas receberam a informação de que "vai sair".