Thales Portugal ganha centro de inovação em Oeiras e reforça investigação e desenvolvimento

Thales Portugal ganha centro de inovação em Oeiras e reforça investigação e desenvolvimento
O grupo Thales inaugurou um centro de inovação em Oeiras, reforçando a aposta em investigação e desenvolvimento de produto da unidade portuguesa, que conta com um orçamento anual de cerca de dois milhões de euros.
 
Os centros de inovação (‘Innovationn Hub’) são uma iniciativa do grupo Thales para a promoção de atividades de inovação em unidades Thales escolhidas pelas suas competências e pela existência de um ambiente favorável à inovação, com vista a acelerar o aparecimento de novas soluções e produtos comercializáveis, explicou João Salgueiro, diretor da área de negócio, produto e inovação, à Lusa.
 
De acordo com o responsável, a Thales Portugal há já alguns anos desenvolve atividades de inovação, possuindo para tal uma equipa dedicada de 50 pessoas, que tem participado em inúmeros projetos, sendo a criação do centro de inovação “um passo à frente”, que se deverá traduzir num aumento do investimento nesta área de negócio, sem querer antecipar valores.
 
Na unidade portuguesa da Thales, instalada em Paço de Arcos, Oeiras, foram desenvolvidos sistemas de comunicação aplicados nas estações e a bordo de comboio e de metropolitano, implementados na Índia, Arábia Saudita, Dubai, Canadá e Austrália, por exemplo.
 
As tecnologias do centro de competências português estão implementadas em 22 países, avançou, o que se traduz numa taxa de exportação de 87% para os cinco continentes.
 
A criação de um centro de inovação também tem a mais-valia de abrir a porta a parcerias com a indústria e com a comunidade científica, que se materializa na segunda-feira na assinatura de um memorando de entendimento com o Instituto Superior Técnico.
 
Com um volume de negócios de cerca de 60 milhões de euros, a filial portuguesa da Thales emprega cerca de 400 pessoas.
 
O grupo francês, que desenvolve sistemas de informação e serviços para a indústria aeroespacial, defesa, segurança e transportes, teve um volume de vendas de 12.974 milhões de euros em 2014, tendo registado um resultado líquido de 714 milhões de euros, um acréscimo de 25% em relação ao ano anterior.