Terrenos da Casa das Seleções podem acolher um parque temático

Terrenos da Casa das Seleções podem acolher um parque temático

Os terrenos destinados à Casa das Selecções, em Almargem do Bispo, projeto que vai ser concretizado no Jamor, podem servir para instalar um parque temático, disse hoje o presidente da Câmara de Sintra. “Vamos ter que encontrar um projeto que se traduza em benefício das populações e atraia investidores”, afirmou à agência Lusa Basílio Horta (PS). O objetivo, acrescentou o autarca sintrense, passa pela criação de emprego no concelho.

O projeto da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) remonta a 2000, era então presidente Gilberto Madaíl. A socialista Edite Estrela (PS), que presidia ao município, acolheu a ideia e a primeira pedra do empreendimento desportivo foi lançada em 2002, já com Fernando Seara (PSD) na presidência da autarquia. Dez anos depois, o atual presidente da FPF, Fernando Gomes, apresentou o novo projeto da Casa das Seleções para o Jamor.

A deslocação do projeto para o concelho de Oeiras levou a atual Junta da União das Freguesias de Almargem do Bispo, Pêro Pinheiro e Montelavar a exigir à FPF uma indemnização de 408 mil euros pelos gastos com trabalhos realizados nos sete hectares propriedade da autarquia local.

Rui Maximiano, presidente da junta, explicou que o pedido judicial pretende apenas “a reparação dos gastos com movimentações de terras que foram realizados para viabilizar a construção do projeto” e não leva em conta outros prejuízos que pudessem ser contabilizados pela desistência da FPF.

Basílio Horta adiantou que os terrenos podem vir a ser reaproveitados para instalar um parque temático, infraestrutura que a autarquia gostaria de atrair para o concelho.

“É preciso uma área na ordem dos 30 hectares”, estimou o autarca, embora possa ser viável um equipamento do género com apenas 20 hectares, através da integração museológica dos vestígios arqueológicos ali detetados.

Para Rui Maximiano, a instalação de um parque temático na freguesia “tem que ser discutida”, mas garantiu que existem condições para viabilizar investimentos nesta zona do município, muito próxima de Lisboa e servida por boas acessibilidades rodoviárias.

Uma fonte oficial da FPF, citada hoje pelo Correio da Manhã, refuta responsabilidades no incumprimento do projeto, por razões não imputáveis à Federação, e não fecha a porta a um entendimento com a junta.