Terminal na Trafaria necessário para compensar capacidade esgotada de Alcântara

Terminal na Trafaria necessário para compensar capacidade esgotada de Alcântara

A presidente do Porto de Lisboa justificou hoje no parlamento a necessidade de construir o terminal de mercadorias na Trafaria com o facto de o terminal de Alcântara estar a aproximar-se do limite de capacidade.
"A capacidade de Lisboa está esgotada e portanto temos orientação [do Governo] para rapidamente desenvolvermos estudos para tomarmos uma decisão firme", disse a presidente do conselho da Administração do Porto de Lisboa (APL), Marina Ferreira, acrescentando que "a prioridade é aumentar a capacidade do Porto de Lisboa".
A responsável participava hoje na primeira audição conjunta das comissões parlamentares de Economia, de Ambiente e de Agricultura e Mar sobre o projeto do Governo de reestruturação do estuário do Tejo.
Marina Ferreira adiantou que o terminal de Alcântara se aproxima a curto prazo da sua capacidade máxima, estando atualmente a operar a 70% da sua capacidade, e afirmou que é necessário deixar espaços livres para movimentar a carga.
"Se não desenvolvermos este projeto [de construção de um novo terminal na Trafaria], podemos comprometer significativamente a atividade portuária", referiu a administradora do Porto de Lisboa.