Surfistas dizem não a contentores na Trafaria

Surfistas dizem não a contentores na Trafaria

Cerca de três centenas de surfistas, bodyboarders e windsurfistas formaram um Círculo Surfista nas praias entre S. António e S. João, na Costa da Caparica, em sinal de protesto contra a instalação do mega terminal de contentores na Trafaria, que inclui a construção de uma linha férrea para mercadorias, que atravessará a localidade.

Este projecto “terá uma influência negativa em milhares de pessoas. Não só para quem reside na Trafaria e Costa da Caparica, mas em toda a população da Grande Lisboa que frequenta estas praias”, afirma Pedro Dionísio, membro da Associação “Contentores na Trafaria Não”, responsável por esta iniciativa que decorreu na manhã de sábado, e teve o apoio da autarquia, e da organização SOS – Salvem o Surf.

“Quando explicamos às pessoas as consequências que o terminal de contentores terá nas duas localidades e nas praias, ficam indignadas e interrogam-se sobre como o mesmo pode ser aceite ambientalmente”, Aliás, segundo Pedro Dionísio, “não existe qualquer estudo ambiental sobre este projecto ou, se existe, não foi dado a conhecer publicamente”.

A mesma questão é colocada pela presidente da Câmara de Almada, Maria Emília de Sousa, que esteve presente nesta iniciativa, assim como a presidente da Junta de Freguesia da Trafaria, Francisca Parreira. "Isto é anacrónico, isto não faz sentido. Só pode ter uma justificação: há aqui um grande negócio", disse a presidente da Câmara.

Entretanto a edil quer saber “o que o ministro do Ambiente, Moreira da Silva, tem para nos dizer. Queremos saber se corrobora, se está de acordo com este crime ambiental de lesa-pátria". E acrescenta: "Também quero saber o que pensa o ministro da Economia, Pires de Lima, relativamente a esta questão". É que, segundo a autarca, o primeiro-ministro nunca esclareceu se este projecto era movido pelos anteriores ministros da Economia e do Mar ou se é um projecto assumido pelo Governo.

Maria Emília de Sousa criticou ainda a construção de uma ferrovia de mercadorias que vai servir a nova infra-estrutura portuária e que atravessa a arriba fóssil para fazer a ligação à plataforma logística do Poceirão.

A Associação “Contentores na Trafaria Não”, vai continuar a trabalhar para recolher apoios contra esta mega infra-estrutura, nomeadamente através de um abaixo-assinado que já tem cerca de 2 mil subscrições e será enviado ao primeiro-ministro. “As pessoas podem também acompanhar a nossa acção através da nossa página no Facebook [a conta é o nome da própria associação] e, futuramente, através de um blog”, avança Pedro Dionísio.