'Sucessores' lamentam saída de Tiago Pires do circuito mundial de surf

'Sucessores' lamentam saída de Tiago Pires do circuito mundial de surf
Os portugueses Frederico Morais, Vasco Ribeiro, Nic von Rupp e José Ferreira lamentaram hoje o afastamento do compatriota Tiago Pires do circuito mundial de surf, prometendo empenho para recuperar uma representação lusa entre a elite.
 
“Antes era só um e agora somos quatro, se nos apoiarmos, se calhar para o ano seremos oito, por isso, a rivalidade tem de ser dentro de água, a ver quem faz a melhor onda e a melhor pontuação e não invejar os resultados do outro”, afirmou Frederico Morais, em declarações à agência Lusa, à margem da antestreia do documentário “My Road: One City – from Lisbon to Los Angeles”.
 
A apresentação do primeiro episódio do projeto de Nic von Rupp levou hoje cerca de 900 pessoas ao Cinema São Jorge, em Lisboa, algo que Vasco Ribeiro, campeão do mundo de juniores, reconheceu como “inesperado”, mas comprovativo do “impacto positivo do surf em Portugal”.
 
“Foi uma prova de que o surf está bem vivo em Portugal, com um público muito jovem e muito sonhador”, realçou José Ferreira.
 
Além de partilharem este projeto de “free surf”, os principais surfistas lusos têm ambições competitivas, como é o caso de Frederico Morais, 40.º do circuito de qualificação, apenas a dois lugares de Tiago Pires.
 
“Este ano cumpri o meu objetivo de ficar no ‘top50’, mas, acima de tudo, fiquei muito contente com o surf que apresentei e da maneira como geri o ano, que não podia ter acabado melhor, com umas meias-finais no Havai”, reconheceu Frederico Morais.
“Kikas” assegurou que vai ter “como principal foco o circuito mundial”, aproveitando o conhecimento adquirido no “primeiro ano a fundo no circuito de qualificação”: “Já conheço todas as paragens, as ondas e as pranchas que preciso, ou seja, a partir de agora, é trabalhar ainda mais, ter um bocado de sorte e acreditar, acho que isso é a chave do sucesso”.
 
“Infelizmente, o Tiago caiu fora do circuito mundial, mas ele vai continuar a fazer uns ‘prime’ e é perfeitamente possível que ele se qualifique, afinal é um surfista de topo”, frisou o surfista cascalense.
 
Uma opinião corroborada por José Ferreira, 84.º da hierarquia, e por Nic von Rupp, 66.º, que assume a existência de uma rivalidade saudável entre os surfistas lusos.
 
“Há rivalidade, mas de uma forma muito positiva, porque estamos todos a torcer uns pelos outros. Obviamente, se um tira um resultado, o outro vai querer mais e ter o ‘Saca’ perto é uma grande motivação, porque esteve no circuito mundial tantos anos e, apesar de ter sido uma má notícia, o que é um facto é que esteve lá sete anos e eu acredito que ele possa lá voltar”, referiu o surfista da Praia Grande.
 
Também Frederico Morais disse acreditar que a presença de “Saca” vai ser “sempre uma ajuda, uma grande companhia”.
 
“Ele é quase um irmão mais velho para mim. Dou-me muito bem com ele, mas claro que gostava que continuasse no circuito mundial. Tenho a certeza que tanto ele como nós, sucessores do Tiago, vamos trazer coisas muito boas para Portugal”, referiu.
 
Vasco Ribeiro, que ocupa o 56.º lugar no circuito de qualificação, também vê benefícios no alargamento da representação lusa, recusando que exista uma rivalidade entre os portugueses.
 
“Não há rivalidade, há um apoio entre os portugueses nos campeonatos. Claro que, às vezes, acabamos por competir uns com os outros, mas é saudável e muito agradável ter vários portugueses a surfar pelo mundo. Se formos a ver, o ‘Saca’ nunca teve esta oportunidade e acho que temos de a aproveitar e dar o nosso melhor”, sublinhou Vasco Ribeiro.
 
A “queda” de Tiago Pires é igualmente lamentada por José Ferreira, mas o surfista de Cascais assegura que a representação lusa vai estar à altura: “Eu ficaria preocupado se não tivéssemos sete surfistas a fazer os ‘prime’. Acho que vamos ter uma grande representação portuguesa a nível mundial, portanto, se nos formos dando bem e estivermos mais perto da qualificação, acho que o surf vai estar mais vivo do que nunca”.
 
Nic von Rupp, o protagonista do documentário e também da noite de antestreia, reiterou esta ideia, juntando os nomes de Marlon Lipke e Tomás Fernandes, aos de “Saca”, “Kikas”, Vasco Ribeiro e José Ferreira.
 
“São sete candidatos, porque a partir do momento em que se está no ‘top100’ tudo é possível, há pontos suficientes e temos uma geração com muito talento, muito esforçada e que dá o sangue para ganhar”, rematou.