SPEA espera que novas zonas de proteção para aves marinhas seja primeiro passo para mais proteção

SPEA espera que novas zonas de proteção para aves marinhas seja primeiro passo para mais proteção
A sociedade para o estudo das aves transmitiu hoje a expectativa que a criação das Zonas de Proteção Especial do Cabo Raso e de Aveiro/Nazaré seja o primeiro passo para conseguir maior proteção do oceano e dos pássaros marinhos.
 
O Conselho de Ministros anunciou a 27 de setembro a definição das novas Zonas de Proteção Especial (ZPE) do Cabo Raso, em Cascais (Lisboa), e de Aveiro /Nazaré, assim como a alteração dos limites das zonas existentes do Cabo Espichel, em Sesimbra (Setúbal), e da Costa Sudoeste, em Faro.
 
"A expectativa é que esta decisão seja o primeiro passo para uma maior proteção do oceano e das aves marinhas", salienta um comunicado da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) hoje divulgado.
 
As novas classificações "irão complementar a atual rede de ZPE no meio marinho, que incluem a Ria de Aveiro, as Ilhas Berlengas, o Cabo Espichel e a Costa Sudoeste, oferecendo proteção às zonas de alimentação e repouso usadas pela população de pardela-balear, uma ave marinha criticamente em perigo a nível global, assim como de outras espécies de aves marinhas", salienta a SPEA.