‘Skippers’ preparados para deixar Lisboa rumo ao ‘sprint’ final da Volvo Ocean Race

‘Skippers’ preparados para deixar Lisboa rumo ao ‘sprint’ final da Volvo Ocean Race
Os ‘skippers’ dos sete veleiros da Volvo Ocean Race (VOR) mostram-se preparados para o ‘sprint’ final da prova, depois de uma semana em Lisboa, onde a comida e o acolhimento deixaram as equipas encantadas.
 
Em vésperas de deixarem a capital portuguesa, os ‘skippers’ disseram hoje, em conferência de imprensa, que foi uma semana importante para treinar, passear, descansar e recuperar forças.
 
Sam Davies, da equipa SCA, foi à procura das "famosas" ondas da Nazaré e, apesar de não as ter encontrado, porque "com muita pena o mar estava ‘flat’", ficou satisfeita com o passeio.
 
Também Ian Walker, do Abu Dhabi, apontou Cascais como um dos seus "lugares favoritos do mundo".
 
Unanimemente, a comida foi o mais elogiado durante a estada, mas agora, terminado o período de descanso, as equipas dizem-se preparadas para as últimas etapas da VOR.
 
Apesar de estar à frente da prova, o ‘skipper’ do Abu Dhabi, Ian Walker, não dá a vitória como garantida.
"Estamos muito longe de ganhar. A partir do momento em que damos a vitória garantida as coisas começam a correr mal, por isso nem sequer penso nisso e eles [os outros ‘skippers’] sabem que ainda têm hipóteses de ganhar", afirmou.
 
O holandês Bouwe Bekking, que comanda o veleiro Brunel e ocupa a segunda posição, considera que vai ser um final de prova "interessante".
 
"Estamos a seis pontos. Vai ser interessante. Ainda temos hipóteses. Sabemos o que o barco pode fazer e as condições que temos. Estou bastante confiante", disse.
 
Também Charles Chaudrelier, ‘skipper’ do Dongfeng e que viu a sua equipa ser penalizada pelo júri, caindo para a terceira posição da tabela, reconheceu que "vai ser difícil", mas "uma boa luta".
 
"Todos estamos motivados. Temos de ser uma equipa e ainda temos hipóteses de alcançar o Abu Dhabi", frisou.
 
Depois de também terem sido penalizados, o Mapfre caiu para o quinto posto, somando 27 pontos, e, apesar da sanção, Xabi Fernández garantiu não haver nervosismo.
 
"Não estamos nervosos. Se não tivermos problemas acho que vai correr tudo bem, mas vai ser duro", sustentou o representante da equipa espanhola.
 
O ‘skipper’ da Alvimedica, Charlie Enright, disse também ter "esperança", depois de uma semana de bons treinos, e que "tudo está em aberto".
 
O SCA, o sexto classificado, com 43 pontos perdidos, garante também não desistir da luta, com a ‘skipper’ Sam Davies a prometer "o melhor".
 
"Preparámos bem estas últimas etapas. Sabemos exatamente o que podemos e não podemos fazer. Cometemos erros, mas aprendemos com eles. Vai ser um ‘sprint’ interessante. Vamos ver", afirmou.
 
De regresso à corrida, o veleiro Vestas, ausente desde a segunda etapa devido a um acidente junto às ilhas Maurícia, reconheceu que vai ser uma "etapa dura", mas o principal objetivo da equipa é "aproveitar" o que resta da prova.
 
"Ainda estamos um pouco nervosos o que é pouco comum para mim, mas estamos concentrados no que podemos ou não podemos fazer, sem danos, para correr bem e estamos felizes. Estou realmente muito feliz com o nosso trabalho esta semana", disse o ?skipper' Chris Nicholson.
 
A oitava etapa arranca no domingo, com os barcos, a deixarem Lisboa com destino à cidade francesa de Lorient para um percurso de 647 milhas náuticas. A frota deverá chegar a Gotemburgo, na Suécia, a 22 ou 23 de junho.