Sintra recebe festival de improvisação, a arte do 'aqui e agora'

Sintra recebe festival de improvisação, a arte do 'aqui e agora'

O Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, vai receber, de 14 a 17 de maio, o Espontâneo, festival de teatro de improviso, que reúne cada vez mais curiosos para assistir à "arte do aqui e agora".

Marco Graça é o diretor artístico do Espontâneo - Festival Internacional de Teatro de Improviso, que cumpre este ano a sua quarta edição, organizado pelo coletivo de teatro de improviso "Os Instantâneos", e disse estar a haver um "aumento exponencial" de público interessado nesta arte.

"Aqui e agora" é a grande definição da arte do improviso que, segundo contou à Lusa, se traduz num "processo intuitivo e inconsciente".

Saber escutar, aceitar e construir ideias umas sobre as outras é um processo que acontece em cima do palco, com atores e o público a verem tudo a acontecer, em pé de igualdade.

"O público vê esse processo acontecer ao vivo, em frente aos seus olhos e é assim que funciona. Quando entramos em palco a regra fundamental é estar aqui e agora e esvaziar completamente a cabeça de qualquer pensamento", explicou.

Os improvisadores devem subir ao palco "vazios" e preparados para as sugestões do público, que se estabelece como o "gatilho" de toda a história a ser contada, durante hora e meia de espetáculo.

A partir daí, refere Marco Graça, aquela peça nunca se irá repetir e é esse o "segredo" que mais atrai os espetadores.

"O que foi representado não vai voltar a acontecer. Nasce e morre naquela noite e o público sente esse apelo e apercebe-se que aquilo só existiu porque estava ali naquela noite", sustentou.

Apesar de poder parecer uma representação sem regras, a verdade é que o teatro de improvisação obedece a princípios muito específicos, diferentes do teatro convencional.

"É na simplicidade que reside a dificuldade. Muitas vezes está tudo à frente dos nossos olhos e, se começamos com análises, desrespeita-se as regras e o que se passa em palco não é improvisado", sublinhou.

A arte do improviso vai poder ser vista de quinta-feira a domingo, na quarta edição do Espontâneo que, este ano, se liga ao seu congénere espanhol, o Festim (organizado pela companhia de teatro de improviso espanhola ImproMadrid), que acontece de 19 a 24 de maio em Madrid.

O Espontâneo, que se realiza desde 2012, contará com a participação de companhias de teatro de improviso portuguesas e espanholas, mas também vindas do México, Itália, Colômbia, Canadá, Reino Unido.

"O festival acabou por crescer e ter uma expressão muitas vezes maior fora de fronteiras do que até dentro. A comunidade de improvisação comunica muito bem e, devido ao facto de ser o único festival em Portugal em improvisação, isso chamou a atenção de muitas companhias estrangeiras que nos contactaram para saber como poderiam vir cá mostrar o seu trabalho", disse Marco Graça.

Projetar as companhias nacionais e dar oportunidade às internacionais para virem a Portugal mostrar o seu trabalho é então o principal objetivo do evento.