Sintra com perto de 6,5 milhões de euros comunitários para desenvolvimento urbano

Sintra com perto de 6,5 milhões de euros comunitários para desenvolvimento urbano
A Câmara de Sintra viu aprovado o financiamento de perto de 6,5 milhões de euros do programa comunitário Portugal 2020, para um investimento total de 12,8 milhões de euros na área do desenvolvimento urbano, anunciou hoje a autarquia.
 
Segundo uma nota camarária, o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) de Sintra, apresentado pela autarquia, integrou candidaturas de projetos "nos três instrumentos de planeamento previstos no eixo urbano", nas áreas da "mobilidade territorial", "regeneração urbana" e "ação integrada para as comunidades desfavorecidas".
 
O valor da comparticipação, de aproximadamente 50% do valor total do investimento, contempla a concretização de percursos cicláveis e pedonais, requalificação de habitação social, instalações para utilização coletiva, requalificação urbana e parques.
 
O presidente da autarquia, Basílio Horta (PS), citado na mesma nota, salientou que todas as propostas foram aprovadas, com "uma média de valoração de 9,6" - no máximo de 10 -, e que Sintra deve "ficar entre os três primeiros concelhos do país e sem recorrer a 'outsourcing'" na preparação das candidaturas.
 
O autarca acrescentou que, além das verbas do Portugal 2020, o município vai "receber um milhão e noventa mil euros" para a Escola Básica (EB) 1 de Queluz, investimento já concluído, resultantes de verbas sobrantes do anterior programa comunitário.
 
No Plano de Mobilidade Territorial, incluído no PEDU de Sintra, com um investimento total de 5,92 milhões de euros, estão previstos percursos cicláveis e pedonais em Agualva-Cacém e Mira-Sintra, entre o Cacém e Rio de Mouro, de Ouressa à Portela de Sintra e de Colares à Praia Grande, bem como um sistema de gestão integrada de informação dos parques de estacionamento.
 
O Plano de Ação de Regeneração Urbana, com uma dotação total de 2,565 milhões de euros, prevê investimentos no centro histórico de Agualva, na Quinta da Fidalga (100.000 euros) e no centro histórico de Sintra, para os bairros de São Pedro, Vila Velha e Estefânea (2.465.576 euros).
 
Os projetos do Plano de Ação Integrada para as Comunidades Desfavorecidas, com um total de 4,341 milhões de euros, contemplam a requalificação de habitação social em Rio de Mouro, Agualva e Mira Sintra, Casal de Cambra e Queluz/Belas, e reabilitação de equipamentos sociais, entre outros, em Algueirão-Mem Martins, Massamá e Monte Abraão.
 
A recuperação do espaço público de bairros sociais de Mira Sintra, de S. José (Algueirão-Mem Martins), 1º de Maio, com horta solidária (Massamá/Monte Abraão), do Pendão, Quinta do Mirante e Pego Longo, com horta solidária (Queluz/Belas) e o parque linear do Alto do Forte (Rio de Mouro) são outras intervenções projetadas.