Sintra admite ajudar Governo a avançar com reabilitação de três escolas

Sintra admite ajudar Governo a avançar com reabilitação de três escolas
O município de Sintra admite apoiar financeiramente a requalificação de escolas do ensino básico em Rio de Mouro, Monte Abraão e Montelavar, desde que seja posteriormente reembolsado pelo Ministério da Educação, informou hoje o presidente da autarquia.
 
Segundo Basílio Horta (PS), "logo que o senhor Presidente da República decidir qual é o Governo", irá questionar o próximo ministro da Educação "se vai ou não orçamentar" a reabilitação das escolas básicas Padre Alberto Neto (Rio de Mouro), D. Pedro IV (Monte Abraão) e Rui Grácio (Montelavar).
 
O presidente da autarquia, que falava à Lusa durante "a presidência aberta" dedicada à educação, estimou as intervenções nas três escolas "em cerca de 15 milhões de euros", disponibilizando-se para ajudar no lançamento das obras.
 
"Se o problema é de tesouraria, a Câmara tem possibilidades de o fazer e, dos 15 milhões, podemos avançar cinco milhões, desde que depois nos sejam devolvidos", afirmou Basílio Horta.
 
O Ministério da Educação transferiu para o município a manutenção de 14 edifícios escolares do segundo e terceiro ciclos do ensino básico e celebrou acordos de colaboração para a construção ou requalificação de cinco estabelecimentos, apenas se concretizando o da escola Visconde de Juromenha (Mercês).
 
"Há chuva que cai nas carteiras dos alunos, há pavilhões que são dificilmente utilizáveis, há situações que não são próprias nem aceitáveis no século XXI, na europa comunitária, em nenhum país", criticou o autarca de Sintra, após uma visita à escola Padre Alberto Neto.
 
A alimentação no estabelecimento de ensino de Rio de Mouro também é criticada, por ser fornecida através de outra escola, mas Basílio Horta adiantou que a autarquia vai "gerir a comida dos refeitórios todos", para uma fiscalização mais apertada da qualidade das refeições.
 
Nos refeitórios geridos pela autarquia, nos últimos dois anos letivos, foram servidas cerca de 5,1 milhões de refeições, que envolveram um custo global de cerca de 10,4 milhões de euros.
 
Na Escola Básica 2,3 António Sérgio, em Agualva, o autarca contactou com o projeto "Orquestra Escolar de Sintra", que visa a integração de jovens e a sua participação numa orquestra municipal a constituir por alunos de escolas do concelho.
 
A autarquia já investiu 30.000 euros na aquisição de instrumentos, mas o projeto terá ainda a comparticipação de juntas de freguesia e de encarregados de educação.
 
O vereador da Educação, Rui Pereira, salientou a importância da formação da orquestra, uma vez que faz parte das "três áreas que motivam os jovens, a música, o desporto e as novas tecnologias".
 
A "presidência aberta" dedicada à educação percorreu, nas manhãs de terça-feira e de hoje, várias escolas do concelho, entre as quais as escolas básicas de Monte Abraão 2 e Casal da Cavaleira (Algueirão), as secundárias Miguel Torga (Queluz) e de Santa Maria (Sintra) e a Escola Portuguesa de Arte Equestre.
 
A iniciativa permitiu conhecer projetos nas áreas da "inclusão", "diversificação das respostas educativas", "ação socioeducativa", "instalações escolares" e "expressões artísticas".