Sintra abraça curtas-metragens

Sintra abraça curtas-metragens

De 28 de Novembro a 2 de Dezembro, o Centro Cultural Olga Cadaval acolhe terceira edição de Córtex, o festival de curtas metragens que quer colocar Sintra na rota dos grandes eventos da Sétima Arte.

Mais longo e mais forte que as duas edições anteriores, o Festival Córtex inicia no final do mês a sua terceira edição e coloca Sintra na rota dos Festivais de Cinema. Esse é pelo menos um dos objectivos de Michel Simeão, mentor do projecto através da Associação Cultural e Teatral Reflexo. “O Festival surge em 2010 e sem pretensão nenhuma, apenas porque em Sintra nunca tinha havido nada de cinema”, começa por contar Michel Simeão, há dias na apresentação oficial do evento, no Restaurante Pharmácia, em Lisboa. O responsável assegura que “o festival tem contornos bem diferentes dos outros, até porque à partida nunca admite estreias, preferindo fazer uma espécie de Best Of das melhores curtas do ano e que foram apresentadas de modo muito disperso, ou no Indie Lisboa ou em Vila do Conde. Aqui, o público sabe que vai ver o que de melhor se fez no último ano”. Depois de no ano passado ter ocupado o Centro Cultural Olga Cadaval, o Córtex dá este ano outro pulo na qualidade, ao ter pela primeira vez um convidado especial. “Álvaro de Campos vai estar cá durante todo o festival, vamos apresentar uma série de curtas dele e ele vai também promover uma masterclass”, avançou Michel Simeão que acredita que a vinda pela primeira vez a Portugal deste realizador é, sem dúvida, uma mais valia para o evento. Para além de se assumir como “um festival descentralizado que tenta combinar a cultura clássica de Sintra com uma cultura mais jovem típica das curtas-metragens, criando assim uma sinergia muito interessante e dinâmica”, o Córtex tem também o objectivo de “desmistificar a ideia de que a curta metragem é um formato para super intelectuais”, conta Michel. “No fundo queremos abraçar todo o público de uma forma geral e mostrar como este formato tem coisas muito ricas”.

Orgulhoso do trajecto feito até aqui, visto a primeira edição ter acontecido nas próprias instalações da Associação Reflexo, com uma sala com uma capacidade máxima de 50 pessoas, Michel Simeão, anunciou que o Córtex tem o modesto orçamento de sete mil e quinhentos euros. “É uma bandeira de orgulho para nós podemos dizer isto, porque conseguimos fazer tudo apenas com sete mil e quinhentos euros dados exclusivamente pela Câmara Municipal de Sintra”, frisa o responsável, acrescentado que “há ainda um valor simbólico dado pela Junta de Freguesia de Santa Maria e São Miguel para os prémios”. Michel Simeão espera para o ano poder duplicar o orçamento “até porque é muito difícil trabalhar com estes valores, já que temos muitas pessoas a colaborar connosco sem ganhar rigorosamente nada”.

O Festival integra uma Competição Nacional, onde não faltam curtas de animação, mas também uma competição internacional, com a presença de duas películas da Alemanha, outras duas da Roménia e 3 de França. Para júri, Michel Simeão convidou este ano Laura Soveral, Rita Blanco, Teresa Villaverde e Vasco Câmara.