Requalificação de espaço em Carcavelos vai criar 2.500 postos de trabalho

Requalificação de espaço em Carcavelos vai criar 2.500 postos de trabalho
A Câmara de Cascais apresentou o projeto de requalificação do espaço da fábrica da Legrand, em Carcavelos, que vai implicar 50 milhões de euros de investimento e a criação de 2.500 postos de trabalho.
 
Segundo a autarquia, o complexo empresarial vai receber a Sonae, a Bricodis e a McDonalds, mas é a instalação da Nestlé que vai ser responsável pelo maior número de empregos (1.200 postos de trabalho, sendo que, numa primeira fase do projeto, serão 600).
 
O investimento privado será de 50 milhões de euros e a primeira fase da obra deverá estar concluída em 2019.
 
O projeto prevê ainda a criação de zonas comerciais, residências universitárias e um gimnodesportivo.
 
O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, garantiu que toda a intervenção será feita mantendo ou reduzindo a área construída atualmente.
 
“É bom que fique claro: não vai haver mais construção. Até podemos chegar ao fim e ter uma redução da área construída”, frisou.
 
Além disso, acrescentou, a criação de emprego é uma das apostas e sublinhou que a Legrand Elétrica não vai sair do concelho, mas será relocalizada no interior de Cascais.
 
O projeto urbanístico visa a recuperação das instalações fabris da Legrand e passa também por uma intervenção na Quinta da Alagoa, onde se pretende “recuperar os espaços verdes, requalificar as construções em ruínas, dando-lhes usos culturais, nomeadamente um pequeno auditório e a reconversão de vias de acesso”.
 
O investimento será feito pela Telhabel e, para o seu administrador, Fernando Gonçalves, trata-se de uma “nova centralidade e de uma nova dinâmica” para Carcavelos e Cascais, prometendo que a intervenção “manterá a identidade e os traços da fábrica atual, dando-lhe modernidade que os novos usos impõem”.