Recuperação do passeio marítimo de Cascais vai custar 450 mil euros

Recuperação do passeio marítimo de Cascais vai custar 450 mil euros

Pavimentos destruídos, bancos de pedra arrancados, muros derrubados, barreiras de segurança fora do lugar e areia acumulada de tal modo que impediu a abertura dos estabelecimentos dos concessionários de praia e a circulação são os principais danos provocados pelo mau tempo verificado nos últimos dias no Paredão Cascais-Estoril.

Um cenário que mereceu esta manhã a visita de Carlos Carreiras, presidente da Câmara Municipal de Cascais. O autarca esteve hoje a analisar os prejuízos, percorrendo a distância entre as praias do Tamariz e da Poça, onde se iniciaram esta manhã trabalhos de limpeza e manutenção.

“Há seis anos que o mar não causava tantos estragos na costa de Cascais”, referiu o presidente da autarquia que se fez acompanhar na visita por técnicos da proteção civil, polícia municipal, autarquia e empresas municipais “Cascais Ambiente” e “Cascais Próxima”. Carlos Carreiras estimou que vão ser necessários entre os 400 e 450 mil euros para a recuperação do passeio marítimo: “é um elevado prejuízo, mas a prioridade neste momento é repor a segurança em toda a linha costeira. Acreditamos que ainda esta semana fique concluída a limpeza, para garantir a salvaguarda das pessoas”.

Alertando o público, o autarca salienta que “é necessário que as pessoas tenham consciência que estes fenómenos são perigosos: peço que respeitem os limites de segurança impostos pelas autoridades”.

Um aviso que importa ter em conta uma vez que a Capitania do Porto de Cascais espera para os próximos dias, entre terça e quinta-feira, novo agravamento da agitação marítima na orla costeira do distrito de Lisboa, com ondas entre os cinco e os sete metros.