PSA Portugal assegura que não utilizou métodos fraudulentos

PSA Portugal assegura que não utilizou métodos fraudulentos
A PSA Portugal, que agrega as marcas Peugeot, Citroën e DS, enviou hoje uma carta aos concessionários e clientes afirmando que os seus veículos nunca utilizaram métodos fraudulentos para falsear as emissões de gases poluentes.
 
No documento a que a Lusa teve acesso, a PSA Portugal refere mesmo que os seus automóveis "nunca estiveram equipados com 'software' ou qualquer outro dispositivo para a deteção de testes de homologação em que se ativasse um tratamento de emissão NOx (óxidos de azoto), e que o mesmo se desativasse sob reais condições de condução".
 
A carta enviada aos concessionários e clientes adianta também que a PSA "apoia a introdução de um novo procedimento para homologação europeia, aplicável a partir de setembro de 2017, que seja mais representativo das condições reais de utilização do que a norma atualmente em vigor".
 
A PSA Portugal vende todos os modelos Peugeot, Citroën e a marca de luxo DS e produz veículos comerciais na sua fábrica em Mangualde, estando diretamente ligada à unidade fabril de Vigo em Espanha.
 
A European Federation for Transport and Environment (AISBL), entidade que trabalha com a Comissão Europeia, divulgou um estudo que revela que a diferença entre os resultados dos testes anti emissões de dióxido de carbono nos automóveis e o desempenho real "tornou-se num abismo", passando de 8% em 2001 para 40% em 2014.
 
O estudo "Mind the Gap" escreve que a Volkswagen "é ponta do iceberg" e que a "Mercedes, BMW e Peugeot distorcem dados".
 
Acrescenta ainda, a propósito da Mercedes, que os modelos classe A, C e E têm uma lacuna dos testes face ao desempenho real superior a 50%, enquanto na série 5 da BMW e no Peugeot 308 o fosso fica abaixo dos 50%.