Protecção Civil de Sintra avalia muro no Cacém que coloca prédios em risco

Protecção Civil de Sintra avalia muro no Cacém que coloca prédios em risco

Técnicos da Proteção Civil Municipal de Sintra estão esta manhã a avaliar os danos provocados por um muro que ruiu parcialmente na quinta-feira, no Cacém, e levou ao desalojamento de 22 famílias, informou a autarquia.

“Vamos fazer uma primeira avaliação das condições para ver se as pessoas podem voltar às suas casas”, afirmou a diretora da Proteção Civil Municipal de Sintra, Ana Queiroz do Vale.

A técnica acrescentou que o prédio n.º 12 da Rua São Tomé e Príncipe, no Cacém, é o que inspira “maior preocupação, porque uma parte do muro caiu” no logradouro e encostou ao edifício.

Na quinta-feira, cerca das 20:15, as autoridades foram alertadas para a ameaça de derrocada de um muro nas traseiras de três prédios no Cacém, obrigando à evacuação dos n.º 12, 10 e parte do n.º 8 da Rua de São Tomé e Príncipe.

Das 22 famílias afetadas, oito foram realojadas com o apoio da Proteção Civil de Sintra e da Segurança Social. A Câmara Municipal admitiu inicialmente a necessidade de realojar 20 pessoas, mas apenas acabaram por ser encaminhadas 14 para o Centro de Emergência da Idanha, em Belas.

O presidente da Camara de Sintra, Basílio Horta, disse à agência Lusa, na quinta-feira à noite, que a obra “vai ser muito complicada, porque é um muro com 12 metros que está em risco de cair”, o que veio a acontecer parcialmente.

Maria do Céu, de 53 anos, residente no 3.º andar do prédio n.º 12, disse à Lusa que ouviu “um estrondo muito grande e o prédio deu todo de si”.

Vários moradores referiram no local que a instabilidade do muro já era conhecida “desde 2011” e que alertaram a Câmara para a situação.

A diretora da Proteção Civil Municipal, Ana Queiroz do Vale, admitiu que os problemas do muro já eram conhecidos pela autarquia desde pelo menos 2012, mas “o terreno é propriedade privada”.

No local estão elementos da PSP, da Proteção Civil Municipal e dos Bombeiros Voluntários de Agualva-Cacém.