Promotora do Optimus Alive financia dois novos projetos portugueses de ciência

Promotora do Optimus Alive financia dois novos projetos portugueses de ciência

Os investigadores portugueses Helena Teixeira e Filipe Vieira conquistaram duas bolsas de investigação científica financiadas pela promotora de espetáculos Everything is New, responsável pelo festival Optimus Alive.
O anúncio dos investigadores contemplados decorreu no recinto do festival, que começou sexta-feira, no Passeio Marítimo de Algés, em Oeiras.
Helena Teixeira, 22 anos, licenciada em Biologia, foi contemplada com uma bolsa em biodiversidade, para o projeto de estudo “do efeito que a perda do habitat e fragmentação das florestas exerce nos lémures, uma das espécies em risco de extinção em Madagáscar”, ilha no Pacífico.
Filipe Vieira, também com 22 anos e licenciado em Biologia, receberá uma bolsa na área da microbiologia, para investigar “os mecanismos moleculares envolvidos na interação entre bactérias e os hospedeiros que infetam, em particular, aqueles que causam a transmissão de doenças em humanos”, lê-se na nota de imprensa.
Os dois projetos serão desenvolvidos no Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), em Oeiras, parceiro da iniciativa, e incluirão uma parte de trabalho prático no estrangeiro, em universidades de Madagáscar e da Suíça.
No âmbito da parceria entre aquele instituto e a promotora, estabelecida em 2007, já foram atribuídas oito bolsas de investigação a estudantes que desenvolveram projetos nas áreas de biodiversidade, evolução, genética, microbiologia e malária.
No recinto do festival Optimus Alive, há um espaço do IGC onde é possível fazer “speed dating” com cientistas, ou seja, onde os festivaleiros podem ter breves encontros com investigadores para saber mais sobre ciência.
A ciência está ainda presente no festival com o “Champimóvel”, da Fundação Champalimaud, onde se pode fazer uma viagem interativa a três dimensões pelo corpo humano.