Primeira escola de surf no rio Tejo inaugurada com aula para crianças

Primeira escola de surf no rio Tejo inaugurada com aula para crianças

A primeira escola de surf no rio Tejo foi inaugurada no Barreiro, num local onde os surfistas aproveitam as ondas provocadas pelos catamarãs que fazem a ligação entre Barreiro e Lisboa.
A Associação Gasoline e a Câmara do Barreiro celebraram nesta quarta-feira um contrato de comodato que permite a utilização de um dos moinhos de vento da zona de Alburrica para a instalação da escola.
"É um orgulho assinar este contrato, pois vai permitir levar este projeto mais além. A escola vai começar já hoje a funcionar, com um ‘workshop’ para crianças carenciadas de uma instituição do Barreiro", disse à Lusa Ricardo Carrajola, presidente da associação.
Ricardo Carrajola é um dos jovens de um grupo de amigos que há cerca de um ano partilhou um segredo que mantinha guardado há quase uma década: a possibilidade de fazer surf no Barreiro, em pleno rio Tejo, aproveitando as ondas dos barcos.
"Hoje temos aqui crianças da associação RUMO, que vão ouvir uma introdução ao surf, depois fazemos alguns exercícios e a seguir vamos para a água, mas estamos abertos a todos os que pretendam experimentar", disse, referindo que ainda estão a procurar alguns patrocínios.
A substituição dos antigos cacilheiros pelos catamarãs, mais potentes e mais rápidos, há cerca de 10 anos, foi o motivo que possibilitou o surf no Barreiro.
"Fazer surf no Barreiro é um sonho e o local é ótimo para quem pretende aprender. Estamos abertos a todos que pretendam experimentar ou aprender", concluiu.
O presidente da Câmara do Barreiro, Carlos Humberto, referiu que a autarquia tem procurado dar passos para requalificar toda a zona de Alburrica, que está neste momento em obra no âmbito de uma candidatura a fundos comunitários.
"Pretendemos dar vida a esta zona e agora temos aqui a escola de surf, além da canoagem e do remo, o que reforça os desportos náuticos. Estas obras em curso devem estar concluídas dentro de um mês e aguardamos visto do Tribunal de Contas para avançar com a construção de um passadiço", explicou.