Presidente da República e primeiro-ministro no funeral das duas vítimas portuguesas de Barcelona

Presidente da República e primeiro-ministro no funeral das duas vítimas portuguesas de Barcelona
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, estarão presentes nas cerimónias fúnebres das duas vítimas portuguesas do ataque terrorista em Barcelona, que se realiza na quarta-feira, em Cascais.
 
A presença de Marcelo Rebelo de Sousa e de António Costa nas cerimónias fúnebres foi confirmada à agência Lusa pela Presidência da República e por fonte do gabinete do chefe do executivo.
 
Segundo informou na segunda-feira fonte da secretaria de Estado das Comunidades, “as cerimónias fúnebres serão realizadas na quarta-feira, tendo início às 10:30, no complexo funerário de Cascais” onde haverá uma cerimónia religiosa e a cremação de um dos corpos.
 
Posteriormente, às 14:30, o funeral sai para o cemitério em São Pedro de Penaferrim, no concelho de Sintra, de acordo com a mesma fonte.
 
Os cadáveres das duas mulheres, que foram entregues no domingo à família, chegaram a Portugal na segunda-feira à tarde, num avião da Força Aérea Portuguesa disponibilizado pelo Governo.
 
Na semana passada, Espanha foi alvo de dois ataques terroristas, em Barcelona e em Cambrils, na Catalunha, que fizeram 15 mortos e 135 feridos, com a utilização de viaturas que atropelaram pessoas indiscriminadamente.
 
A lista de vítimas mortais do ataque em Barcelona incluiu estas duas portuguesas, uma de 74 anos, residente em Lisboa, e a sua neta, de 20.
 
Em Barcelona, o ataque ocorreu na quinta-feira à tarde, dia 17, nas Ramblas, uma avenida muito frequentada por turistas.
 
Na madrugada de sexta-feira, dia 18, cinco homens num automóvel atropelaram um grupo de pessoas em Cambrils, uma estância balnear a cerca de 100 quilómetros de Barcelona, fazendo um morto e cinco feridos.
 
Os dois ataques foram reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico (também conhecido pelo acrónimo árabe Daesh).
 
No domingo, o Presidente da República e o primeiro-ministro deslocaram-se a Barcelona, a convite dos reis espanhóis, para assistir a uma missa pela paz e concórdia, celebrada na basílica da Sagrada Família.