Presidente da Câmara de Cascais avalia buscas da PJ como um acto normal

Presidente da Câmara de Cascais avalia buscas da PJ como um acto normal
O presidente da Câmara de Cascais confirmou hoje à Lusa que houve, durante o dia, buscas da Polícia Judiciária (PJ) à autarquia, mas avaliou a situação como um "ato normal do poder judiciário, como tantos outros".
 
"Desde que sou presidente de Câmara já recebi dezenas de visitas dos agentes da Polícia Judiciária na sequência de denúncias. Todas elas inconsequentes", indicou Carlos Carreiras numa nota escrita enviada à Lusa.
 
As investigações, esclareceu, surgem na sequência de uma denúncia sobre o processo de revisão, em 2015, do Plano Diretor Municipal, entretanto já aprovado e publicado em Diário da República.
 
"Concluídas as diligências de hoje, não houve constituição de arguidos nem imposição de qualquer medida de coação", contou.
 
Carlos Carreiras adiantou que o assunto é "antigo" e que já valeu ao executivo "algumas idas a tribunal por participações de grupos de interesse mais ou menos explícitos".
 
"Tivemos sempre ganho de causa. Perante gritante incapacidade política, há quem queira utilizar a Justiça para fazer oposição. Perderam sempre", sublinhou.
 
O autarca afirma-se "intransigente" perante os grupos de interesse e promete continuar a defender o município.