Prémio Paula Rego poderá alargar-se a outras instituições daqui a três anos

Prémio Paula Rego poderá alargar-se a outras instituições daqui a três anos
O Prémio Paula Rego para estudantes da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL), hoje lançado, poderá vir a estender-se a outras instituições dentro de três anos, segundo a organização.
 
O prémio de aquisição, no valor de mil euros, vai ter a primeira edição este ano e, segundo o presidente da FBAUL, Victor dos Reis, e o filho de Paula Rego, o realizador Nick Willing, decorrerá “como um teste nos próximos anos".
 
"As três edições anuais da exposição e do prémio, previstas no protocolo hoje assinado, devem ser entendidas como um ensaio", disse o presidente da faculdade, durante a cerimónia de assinatura, que decorreu na FBAUL, acrescentando que pretende constituir-se como parceira futura a um eventual alargamento a um universo mais vasto de instituições participantes.
 
Victor dos Reis, que considerou "uma honra" a FBAUL ter sido escolhida para acolher e organizar a primeira edição, comentou ainda: "É um ensaio para algo mais ambicioso. Para que se possa tornar um prémio nacional".
 
Em declarações à agência Lusa, Nick Willing considerou: "Vamos ver como correm estas três edições. Se houver muitos candidatos e qualidade dos trabalhos, vamos alargar a outras escolas".
 
"Para a minha mãe, é muito importante que estes estudantes tenham um incentivo", acrescentou.
 
Aquela faculdade foi escolhida por Paula Rego, porque a mãe da pintora estudou ali, e também porque um prémio que a artista conquistou na Slade School of Fine Arts, em Londres, em 1954, constituiu um grande incentivo para a carreira internacional.
 
Esta primeira edição do prémio é destinada a alunos do primeiro e do segundo ciclo de estudos da FBAUL, e a obra escolhida deverá integrar a coleção privada da pintora, ficando exposta na casa de Paula Rego, em Londres ou no Estoril, indicou Willing à Lusa.
 
"A minha mãe quer ter o quadro em casa para poder vê-lo", acrescentou, sobre o galardão, que visa incentivar os estudantes de Belas-Artes, expondo e premiando o seu talento, para contar uma história através do desenho.
 
Os alunos devem concorrer com um desenho que conte uma história pessoal importante para si próprios, e as melhores obras serão escolhidas por um júri, para serem apresentadas numa exposição na Casa das Histórias, e incluídas num catálogo.
 
De acordo com o reitor da FBAUL, deverão ser expostas entre 40 a 50 obras na Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, de 28 de julho a 18 de setembro de 2016, dia do aniversário da inauguração daquela entidade, e data em que a pintora anunciará o vencedor.
 
O júri de seleção será presidido por Nick Willing ou Cas Willing - filhos da artista e seus representantes - Victor dos Reis, Catarina Alfaro, curadora e coordenadora da programação e conservação da Casa das Histórias Paula Rego, Pedro Saraiva, professor catedrático, António Matos, professor associado, e Sandra Tapadas, assistente, todos docentes da FBAUL.
 
Os estudantes podem consultar o regulamento ‘online’, a partir de hoje, no sítio da FBAUL, que receberá as propostas até 27 de maio.
 
A cerimónia de assinatura do protocolo de hoje contou com o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, e o administrador da Fundação D. Luís I, Salvato Telles de Menezes.