Pratos solidários apoiam desejos de crianças doentes

Pratos solidários apoiam desejos de crianças doentes

Mais de cem restaurantes vão disponibilizar a partir de segunda-feira um "prato solidário", criado por reconhecidos chefs portugueses, com parte do valor a reverter para a fundação Make-a-Wish, que realiza desejos a crianças e jovens gravemente doentes.
Durante um mês, mais de uma centena de restaurantes de todo o país vão incluir nas suas cartas o "Wish Dish" - que pode ser um prato principal, uma sobremesa ou mesmo um menu -, concebido por "alguns dos chefs mais reconhecidos do país", como Henrique Sá Pessoa, Chakall, Marco Gomes, Luís Baena e Rui Paula, anunciou a organização.
Ao consumir o prato especial Make-a-Wish, "cada pessoa estará a contribuir com dois euros para a realização de desejos de crianças que se encontrem a lutar contra uma doença grave", explicou.
"O português gosta de comer bem e de pratos inovadores. Pensámos em associar a solidariedade a bons pratos e a bem comer", referiu à Lusa a diretora executiva da Make-a-Wish em Portugal, Mariana Tavares.
Também o portal de reservas ‘online’ My Table se associou à iniciativa solidária e vai doar dois euros por cada reserva, independentemente de o cliente consumir ou não um "Wish Dish".
A ação decorre pelo segundo ano consecutivo e, desta vez, conta com mais estabelecimentos participantes. 
A iniciativa decorre no âmbito do 33.º aniversário da Fundação Make-a-Wish, uma organização internacional reconhecida pelas Nações Unidas que "já realizou mais de 300 mil desejos no mundo inteiro", segundo a organização.
Para celebrar a data, a filial portuguesa vai organizar 33 atividades ao longo do ano, como "a maior estrela humana", no próximo dia 28, no Parque das Nações (Lisboa), mas também concertos, caminhadas ou torneios de futebol, revelou Mariana Tavares.
Os parceiros da Make-a-Wish em Portugal são «o Instituto Português de Oncologia de Lisboa e do Porto e mais dez hospitais em todo o país. A fundação tem como missão realizar desejos a crianças e jovens, entre os três e os 18 anos, com doenças graves, degenerativas ou malignas.