Portugal Open: Ferrer e Kuznetsova cumprem, Cirstea e Schiavone fazem as malas

Portugal Open: Ferrer e Kuznetsova cumprem, Cirstea e Schiavone fazem as malas

A estreia vitoriosa do espanhol David Ferrer, o maior cabeça de cartaz da 24.ª edição do Portugal Open em ténis, e mais um “desbaste” de figuras do quadro feminino marcaram o terceiro dia de prova.
 Alternativa ao argentino Juan Martin del Potro, “baixa” de última hora, David Ferrer, isento da primeira ronda, ainda teve de “transpirar” para deixar pelo caminho Edouard Roger-Vasselin, que forçou o número 4 do Mundo a um terceiro “set”.
 Ferrer, que nos quartos-de-final cruzar-se-á com o “carrasco” de Rui Machado na ronda inaugural, o romeno Victor Hanescu, acabou por vencer o francês, 73.º do “ranking” por 6-4, 4-6 e 6-3, para gáudio da maioria do público presente no Court Central.
 Mas esta terceira jornada ficou, mais uma vez, marcada por nova razia entre algumas das principais figuras do quadro masculino. Uma das responsáveis foi a campeã em título, a estoniana Kaia Kanepi.
Sem “ranking” para figurar entre as oito mais cotadas do quadro, Kanepi mostrou qualidade suficiente para eliminar mais uma cabeça de série, a romena Sorana Cirstea, quinta favorita e número 26 do Mundo, por um categórico 6-1 e 6-2.
À romena, juntam-se nesta prematura vaga de eliminações das principais favoritas a francesa Marion Bartoli (primeira), a eslovaca Dominika Cibulkova (segunda), a norte-americana Varvara Lepchenko (sexta) e a alemã Julia Georges (oitava), todas afastadas logo na ronda inaugural.
A espanhola Carla Suarez Navarro, vice-campeã em 2012, não comprometeu a condição de quarta cabeça de série e bateu a vencedora da edição de 2009 do torneio, a belga Yanina Wickmaier, por 6-4 e 6-3.
A russa Svetlana Kuznetsova, uma das maiores figuras resistiu à debandada das favoritas e apurou-se para os quartos-de-final.
A campeã de Roland Garros de 2009 e antiga número dois do Mundo voltou a fazer jus à condição de “estrela” e bateu a cazaque Galina Voskoboeva, proveniente do torneio de qualificação, em dois “sets”, pelos parciais de 6-4 e 6-4.
A outra campeã do Grand Slam francês presente no Portugal Open, a italiana Francesca Schiavone, que ganhou em Paris em 2010, foi forçada a fazer as malas, que a porto-riquenha Monica Puig ajudou a “arrumar”.
Número 102 do “ranking”, e proveniente do torneio de qualificação, Puig só precisou de dois “sets” (6-3 e 6-2) para bater a italiana, que chegava ao Jamor logo depois de conquistar o primeiro título da época, na terra batida de Marraquexe.

Gil e Pedro Sousa na segunda ronda de pares com um sonho olímpico

Frederico Gil e Pedro Sousa juntaram-se hoje a Gastão Elias no lote de portugueses na segunda ronda do 24.º Portugal Open, ao vencerem o seu encontro de pares diante de Jamie Murray e John Peers.
Os portugueses venceram por duplo 6-4, em uma hora e quatro minutos, o duo formado pelo britânico Jamie Murray, irmão mais velho de Andy Murray, e o australiano Peers, no encontro que mais euforia gerou no público no dia hoje.
“O ambiente foi incrível, o que nos ajudou imenso. Fizemos grande jogo, a servir estivemos muito bem”, descreveu Pedro Sousa.
“Fred” reconheceu que foi engraçado jogar com o court 1 “completamente cheio” e revelou qual é o real objetivo da dupla lusa: “eu e o Pedro temos vindo a jogar bem, fazemos um bom par, temos trabalhado alguns aspetos do nosso jogo. Estamos a trabalhar o par, definimos este ano jogar mais vezes juntos e temos um projeto [olímpico] que está ainda a começar”.
Os dois querem estar no Rio2016 e, por isso, têm treinado mais vezes o par, também com o plano de, segundo Gil, se tornarem um pilar na seleção nacional.
“À seleção falta um par forte e eu e o Pedro vamos trabalhar nesse sentido”, prometeu, indicando que os dois também já sonham com o Masters de pares.
Os portugueses, que entraram no quadro de pares masculinos com um convite da organização, vão encontrar na segunda ronda a dupla italiana Daniel Bracciali e Fabio Fognini.
“É um parte forte, vão querer muito ganhar. Jogam bem, têm bom ranking, mas vamos focar-nos no nossos jogo e vai correr bem”, indicou Gil, garantindo que o estatuto de quartos cabeças de série dos italianos não os assusta.