Pirilampo Mágico ajuda instituições

Pirilampo Mágico ajuda instituições

A Federação Nacional das Cooperativas de Solidariedade Social admite que a campanha deste ano do Pirilampo Mágico seja afectada pela falta de poder de compra dos portugueses, mas acredita conseguir aproximar-se dos 750 mil euros angariados em 2011.

Rogério Cação revelou que, no ano passado, as 84 organizações envolvidas na campanha terão conseguido vender um total de 670 mil pirilampos e 120 mil pins, ressalvando que as contas ainda não foram fechadas.

A campanha deste ano, que vai ser apresentada na sexta-feira, na presença do ministro da Solidariedade e Segurança Social, Pedro Mota Soares, é presidida por Maria Cavaco Silva e traz um Pirilampo em “azul clarinho”, “muito simpático”, conforme explicou à Lusa o vice-presidente da Fenacerci.

“Já descontados os custos com os materiais, tivemos uma receita líquida de cerca de 650 mil euros a que se acresceu cerca de 120 mil pins e que dará uma receita próxima dos cem mil euros. No total estamos a falar de uma receita que não andará muito longe dos 750 mil euros”, adiantou o responsável.

O valor do Pirilampo Mágico continua nos dois euros e, além deste bonequinho que os portugueses conhecem desde 1987, a campanha deste ano põe também à venda uma caneca em cerâmica com o logótipo da Fenacerci, uma coleção especial de 26 pirilampos e um kit com todos os materiais.

O vice-presidente da Fenacerci admite que haja alguma retracção por parte dos portugueses porque “há gravíssimas dificuldades”, mas acredita que a solidariedade fale mais alto.

“As pessoas são particularmente solidárias nestes momentos e nós acreditamos que, apesar das dificuldades, não sairemos daquilo que foram os padrões de venda do ano passado”, afirmou.

Rogério Cação lembrou que a campanha do Pirilampo Mágico começou em 1987, com “92 mil bonequinhos” e que no ano de 2000 esse número saltou para os 1150 mil pirilampos.