Pastelaria Pãozinho das Marias, na Ericeira, tem "O Melhor Pastel de Nata" da região

Pastelaria Pãozinho das Marias, na Ericeira, tem "O Melhor Pastel de Nata" da região
O Peixe em Lisboa, evento gastronómico dedicado à cozinha de mar, cuja 10.ª edição decorreu no recém-reaberto Pavilhão Carlos Lopes, realizou numa sessão aberta ao público, a final da 9ª Edição da prova O Melhor Pastel de Nata, que distinguiu em primeiro lugar a pastelaria Pãozinho das Marias, da Ericeira, com o Melhor Pastel de Nata da região da Grande Lisboa. O segundo e terceiro lugares foram atribuídos à pastelaria Patyanne, de Castanheira do Ribatejo e ao restaurante lisboeta Mercado do Peixe, respetivamente.
 
Francisco Duarte, responsável pela pastelaria e gestão do espaço Pãozinho das Marias, recebeu com enorme satisfação, o diploma de 1º Lugar, das mãos de Virgílio Gomes, presidente do júri. Uma distinção merecida para quem falhou várias vezes, mas sempre procurou chegar à perfeição. O jovem pasteleiro de 25 anos, natural da zona da Ericeira, congratula o trabalho em equipa, mas garante que a sua persistência e dedicação ao trabalho foram o grande motor da sua recente conquista.
 
Desenvolvido pelo gastrónomo Virgílio Gomes, e à margem do evento Peixe em Lisboa, a prova O Melhor Pastel de Nata, destinado às pastelarias e restaurantes da Grande Lisboa é já um clássico que pretende evidenciar e promover um dos doces mais característicos da região. Com uma legião de fãs espalhada pelo mundo, Virgílio Gomes destaca as características mais relevantes de um bom pastel de nata; aspecto apetecível e bronzeado, sem estar queimado ou esmorecido, equilíbrio entre a massa, que deve ser bastante quebrada e o creme, que deve “escorrer” do pastel, sem ter gostos excessivos a canela, limão, baunilha, ou outras essências. 
 
Já com nove anos de história, a prova O Melhor Pastel de Nata é um dos momentos mais marcantes do Peixe em Lisboa, tendo como objetivo a divulgação e promoção do consumo deste doce característico da cidade. Uma prova que tem ajudado a reforçar a qualidade do que se tem feito na região, como é o caso da massa folhada, que apresenta uma evolução significativa e cada vez mais qualidade.
 
A repercussão deste desafio, lançado a pastelarias e restaurantes da Grande Lisboa, é cada vez maior e este ano bateu novamente o recorde de inscrições, contando com 26 participações de estabelecimentos com fabrico próprio. Para se apurarem os doze finalistas desta tarde, foram realizadas duas provas de pré-seleção, em dias diferentes, que resultaram na decisão dos nove melhores pastéis de nata avaliados, que se juntaram aos três primeiros classificados da edição do ano passado.
 
O júri deste ano foi presidido pelo gastrónomo Virgílio Gomes, o enólogo Domingos Soares Franco, a jornalista Cristina Liz, a blogger gastronómica Isabel Zibaia Rafael e o especialista em doces Carlos Braz Lopes, que pontuaram os pastéis numa escala de 0 a 10, analisando o “Aspeto”, o “Toque da massa”, o “Sabor e consistência da massa”, o “Recheio” e o “Sabor global”. Cada concorrente apresentou os seus pastéis de nata em embalagens não identificadas e os membros do júri efetuaram provas cegas, desconhecendo a identidade dos concorrentes.
 
A competir nesta 9ª Edição da prova O Melhor Pastel de Nata estiveram também a Pastelaria Bonjour Cascais, de Alcabideche, a Pastelaria Polo Norte, de Mafra, a Pastelaria Santa Coina, de Coina e as pastelarias Bijou do Calhariz, Aloma, a Fábrica da Nata e a Pastelaria Casinha do Pão, de Lisboa. Ainda como finalistas da edição passada e que fizeram igualemte parte dos doze finalistas deste ano, estiveram as pastelarias Fim de Século, de Lisboa e a Pastelaria Batalha, da Venda do Pinheiro.