Partido pelos Animais contesta localização do novo canil de Oeiras

Partido pelos Animais contesta localização do novo canil de Oeiras

O Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN) criticou hoje a localização do novo canil municipal de Oeiras, no Bairro dos Navegantes, e solidarizou-se com os moradores que também contestam a obra pela proximidade às suas habitações.

Depois de, no início do mês, a comissão de moradores do Bairro dos Navegantes ter dito à agência Lusa que a construção do novo canil municipal de Oeiras está a ser contestada e que deve ser cancelada, o PAN veio agora manifestar o seu apoio às queixas.

Em comunicado, o grupo defensor dos animais reitera que, devido às suas características, um canil não deve ser localizado junto a uma área residencial e muito menos deve ser construído numa zona de difícil acesso.

"O facto de o canil ficar muito próximo dos cabos de alta tensão que por ali passam pode ainda colocar em risco animais e funcionários do canil", acrescentam.

O projecto de construção do Centro de Recolha Oficial de Animais do Município de Oeiras (CROAMA) vai custar cerca de 400 mil euros à Câmara de Oeiras, num investimento repartido por dois anos (48 mil euros em 2012 e 384 mil em 2013).

Sobre este investimento, o PAN considera que o dinheiro poderia ser utilizado para "melhoramento e ampliação do canil provisório de Vila Fria, cuja a localização não coloca problemas".

A Câmara de Oeiras começou a construir o novo canil municipal, em Porto Salvo, mas a sua proximidade às habitações está a gerar contestação dos moradores do Bairro dos Navegantes que exigem o cancelamento da obra.

Além do "ruído" e "mau cheiro", os moradores consideram que a decisão da câmara de instalar o CROAMA num bairro social, "onde as condições de vida já são difíceis", deve ser anulada.

Para dar seguimento à intenção de parar a obra, os moradores criaram um abaixo-assinado que já conta com 600 assinaturas.

Também o presidente da Junta de Freguesia da Cruz-Quebrada Dafundo, Paulo Freitas do Amaral, mostrou-se "solidário" com os moradores e também ele já criou uma petição, com 43 assinaturas, a ser entregue ao Ministério do Ambiente.