Parques de Sintra investe mais 270 mil euros em obras no Palácio da Pena

Parques de Sintra investe mais 270 mil euros em obras no Palácio da Pena

Em curso desde Junho, as obras de recuperação e conservação no Palácio da Pena, que envolvem fachadas, muros, azulejos e cantarias, vão custar cerca de 270 mil euros, anunciou hoje a Parques de Sintra - Monte da Lua, empresa responsável pelo monumento.

De acordo com a empresa de capitais públicos, criada em 2000, após a classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade, estas obras, que estão a decorrer no período de verão, não implicam o encerramento do edifício. “O Palácio permanecerá aberto durante os trabalhos, mantendo a política de 'Aberto para Obras'“, sendo que os andaimes não cobrirão todo o Palácio em simultâneo, para minimizar o impacto visual nos visitantes”, refere a Parques de Sintra, que estima ter as obras concluídas até ao final do ano.

O projeto de recuperação das fachadas e muros na envolvente do Palácio da Pena foi iniciado por a caiação e os barramentos coloridos se encontrarem degradados, explica a empresa.

A Parques de Sintra indica ainda que o projeto de recuperação foi realizado com o acompanhamento de técnicos da Direção Geral do Património Cultural (DGPC), e escolhida esta época mais quente do ano para a realização das obras devido ao microclima do alto da Serra de Sintra.

Esta intervenção, tanto na fase de projeto como na de obra, tem também o apoio do Museu Nacional do Azulejo, na conservação e restauro.

A Parques de Sintra gere o Parque e Palácio da Pena, os Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz, o Chalet da Condessa d'Edla, o Castelo dos Mouros, o Palácio e Jardins de Monserrate, o Convento dos Capuchos e a Escola Portuguesa de Arte Equestre.

No ano passado, segundo a empresa, estes monumentos e equipamentos culturais receberam aproximadamente 1.700.000 visitas, mais de 90% das quais por parte de estrangeiros.

São acionistas da empresa, o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, a Direção Geral do Tesouro e Finanças (que representa o Estado), o Turismo de Portugal e a Câmara Municipal de Sintra.