'Paisagem Portuguesa', de Carlos Queiroz, volta a ser lançada em Sintra

'Paisagem Portuguesa', de Carlos Queiroz, volta a ser lançada em Sintra
A obra "Paisagem Portuguesa", da autoria do poeta e ensaísta Carlos Queiroz, publicada há mais de sete décadas, mas quase desconhecida, volta a ser editada pela Feitoria dos Livros, que a pretende "resgatar do esquecimento", anunciou a editora.
 
Carlos Queiroz (1907-1949), poeta do segundo modernismo, foi um colaborador influente da revista Presença, dirigida por João Gaspar Simões, José Régio e Branquinho da Fonseca, na companhia de Fernando Pessoa e Almada Negreiros.
 
O crítico de arte e ensaísta, que dirigiu as revistas Panorama e Litoral, publicou "Paisagem Portuguesa" em 1940, obra agora de novo editada com um ensaio de Rodrigo Sobral Cunha, que será apresentada, na terça-feira, no Palácio de Seteais, em Sintra.
 
O poeta, que colaborou também com as publicações Revista de Portugal, Ocidente, Atlântico, Vamos Ler, revelou, num número especial da Presença, dedicado a Fernando Pessoa, "os amores deste poeta por sua tia Ophelia Queiroz, publicando algumas cartas", revela numa nota a Feitoria dos Livros, chancela da Colares Editora.
 
A nova publicação do texto de Carlos Queiroz tem como objetivo "a redescoberta de um grande poeta, que soube aliar com felicidade altos dons criativos a um alargado conhecimento científico na vivência da Paisagem Portuguesa", explicou Rodrigo Sobral Cunha, professor do IADE- Instituto de Arte, Design e Empresa.
 
O docente acrescentou que o autor foi amigo de Fernando Pessoa, que lhe prestou a sua "admiração poética", e de Almada Negreiros, que o retratou, "mas o seu desaparecimento precoce lançou-o numa espécie de esquecimento de que esta iniciativa [editorial] o pretende resgatar".
 
Além de "Paisagem Portuguesa", o ensaísta viu publicados ainda em vida outros dois livros de poesia da sua autoria: "Desaparecido" (1935) e "Breve Tratado de Não-Versificação (1948).
 
"A paisagem portuguesa parece esperar - parece esperar por nós. Há muitos séculos", constatou Carlos Queiroz, citado pela editora, na obra agora publicada.
 
Segundo Maria Rolim, da Colares Editora, a ilustração da capa é uma aguarela do pintor Bernardo Marques, contemporâneo de Carlos Queiroz, que "escrevia de uma maneira envolvente", olhando para "a componente geográfica, filosófica e poética" dos lugares.
 
O novo título da coleção Viagens & Literatura da Feitoria dos Livros vai ser lançado no salão nobre do Palácio de Seteais, em Sintra, com apresentação do cineasta António-Pedro Vasconcelos, do filósofo Joaquim Domingues e de Rodrigo Sobral Cunha.