Operadores europeus interessados na subconcessão da Carris e do Metro de Lisboa

Operadores europeus interessados na subconcessão da Carris e do Metro de Lisboa
O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, afirmou hoje que "os principais operadores europeus estão interessados" na subconcessão da Carris e do Metro de Lisboa, cujo concurso público internacional foi lançado na segunda-feira.
 
"Os principais operadores europeus estão, de facto, interessados no concurso em Lisboa, mas esse interesse inicial não quer dizer que depois existam propostas concretas", afirmou Sérgio Monteiro, num encontro com jornalistas, recordando o caso do concurso no Porto, em que se verificou igual interesse inicial e "depois apenas duas entidades apresentaram proposta concreta" (uma delas fora do prazo).
 
Mais do que o número de potenciais interessados, Sérgio Monteiro realçou que o que move o Governo é entregar a responsabilidade de gestão a terceiros, "mantendo ou melhorando a qualidade do serviço", e, ao mesmo tempo, a responsabilidade de investimento em material circulante.
 
"A nossa intenção é transferir a responsabilidade de investimento no material circulante, sobretudo na Carris, para o parceiro privado, porque o Estado equilibrou estas empresas operacionalmentem isto é, já dão lucro, mas não geram receita suficiente para fazer investimento, nomeadamente na renovação da frota", acrescentou.
 
Mais, Sérgio Monteiro quer garantir que, nos próximos anos - oito no caso da Carris e nove no Metro de Lisboa - se consolidam as poupanças alcançadas, com as medidas implementadas, o que, no seu entender, pode ser posto em causa por um futuro Governo.
 
"Está provado que podemos ter um serviço de transporte que atende às necessidades da população e que é sustentável", declarou.
 
Os interessados têm até 14 de maio (52 dias) para entregar as propostas vinculativas, prazo que pode sofrer acertos se existir um grande fluxo de questões por parte dos concorrentes, à semelhança do que aconteceu no concurso homólogo no Porto.
 
Desde ontem, os interessados podem levantar o caderno de encargos sobre as concessões na plataforma online, no qual estão incluídas todas as condições exigidas pelo Governo para o futuro gestor dos sistemas de transportes de Lisboa.
 
Em declarações aos jornalistas, Sérgio Monteiro destacou as obrigações de investimento, referindo que, durante a vida do contrato, "terão que ser renovados todos os autocarros da Carris", escusando-se a precisar o número de autocarros em questão ou o investimento.
 
Em contrapartida, acrescentou, a subconcessão do Metro de Lisboa não exige investimento em material circulante, o que só poderá acontecer se houver expansão na rede (além da extensão à Reboleira na Amadora), o que obrigaria a uma adenda ao contrato.