Oeiras: Ciclopatrulhas pedalam contra a criminalidade

Oeiras: Ciclopatrulhas pedalam contra  a criminalidade

Meios de vigilância da PSP mantêm crime em ‘maré baixa’ nas zonas balneares.
Os casos de criminalidade associados ao natural aumento da população junto às zonas balneares nos meses de Verão têm estado ‘em maré baixa’ no concelho. E o uso, recente, de patrulhas em bicicleta, é apontado como um dos maiores contributos para que as ocorrências que podem estragar um dia de praia estejam em níveis ‘residuais’.
Embora ainda sem dados absolutos e tratados em toda a sua dimensão, a PSP de Oeiras avançou ao JR que, “considerando o tipo de crimes que normalmente poderão estar relacionados com o aumento do número de população flutuante durante a época estival, temos a salientar apenas uma redução no número de furtos (-19%), sendo que os restantes indicadores se mantiveram em linha com os resultados do ano passado”.
Os dados, referentes ao período entre 1 de Junho e 28 de Agosto, “correspondem à análise da criminalidade, ainda não oficial, nas zonas balneares do concelho de Oeiras”.
Segundo o comissário Rui Pereira, adjunto do comando da Divisão Policial de Oeiras, tudo aponta para números ‘residuais’ nesta vertente da acção de vigilância policial. “Tem havido uma evolução positiva de há cerca de três anos para cá, com novos meios e novas estratégias”, justifica.
Os recursos usados este ano pela PSP para vigiar as zonas balneares mais procuradas pelos munícipes – os quais, aliás, se mantêm activos até ao final da época balnear – incluem um Posto de Atendimento Móvel, localizado no Jardim de Oeiras (junto à Praia de Sto. Amaro de Oeiras); Equipas de Patrulhamento Apeado, junto dos principais itinerários pedonais (normalmente percursos entre as estações de comboios e as praias); Equipas de Patrulhamento Auto, que reforçam a vigilância junto dos parques de estacionamento; Ciclopatrulhas, que de forma rápida e próxima do cidadão fornecem um apoio às ocorrências junto da linha de praia, parques de estacionamento e percursos pedonais; e, finalmente, Equipas de Intervenção Rápida, em prontidão junto das praias para fazer face a eventuais alterações da ordem pública.