Oeiras: Futuro canil municipal gera contestação

Oeiras: Futuro canil municipal gera contestação

A Câmara de Oeiras começou a construir o novo canil municipal, em Porto Salvo, mas a sua proximidade às habitações está a gerar contestação dos moradores do Bairro dos Navegantes que exigem o cancelamento da obra.

"Não aceitamos esta obra, porque isto está a ser construído a 30 metros das nossas casas e nem sequer nos consultaram", afirmou à Lusa José Maria Roseira, da comissão de moradores do Bairro dos Navegantes

Além do "ruído" e "mau cheiro", os moradores consideram que a decisão da câmara de instalar o Centro de Recolha Oficial de Animais do Município de Oeiras (CROAMA) num bairro social, "onde as condições de vida já são difíceis", deve ser anulada.

"O que nos surpreende e nos deixa indignados é que não quiseram saber da nossa opinião. Começaram a construir ao pé das nossas casas quando há outros terrenos abandonados onde isto poderia ser feito", disse.

Para dar seguimento à intenção de parar a obra, os moradores criaram um abaixo-assinado que já conta com 600 assinaturas.

"Eu acredito que a câmara venha a perceber que isto não pode continuar", concluiu.

Também o presidente da Junta de Freguesia da Cruz-Quebrada Dafundo, Paulo Freitas do Amaral, mostrou-se "solidário" com os moradores e também ele já criou uma petição, com 43 assinaturas, a ser entregue ao Ministério do Ambiente.

"Eu percebo que a Câmara queira valorizar os terrenos, mas ali é complicado para as pessoas pela proximidade das habitações. O ideal era que fosse instalado em acessos bons e não piorasse a qualidade de vida de ninguém", afirmou à Lusa.

Paulo Freitas do Amaral considera "inadmissível" e uma atitude "pouco humana" a da Câmara Municipal de construir o canil municipal junto dos moradores que "perderão a sua qualidade de vida".

O projeto de construção do CROAMA vai custar cerca de 400 mil euros à Câmara de Oeiras, num investimento repartido por dois anos (48 mil euros em 2012 e 384 mil em 2013).

Este novo canil municipal vai substituir o actual que já motivou diversas manifestações por falta de condições.