Ocupação hoteleira em alta durante a Páscoa em todo o país

Ocupação hoteleira em alta durante a Páscoa em todo o país

Os hotéis das regiões do Porto, Lisboa e Algarve vão ter nesta Páscoa uma taxa de ocupação mais elevada do que no passado, de acordo com responsáveis de associações e empreendimentos hoteleiros.

No Algarve, as reservas em hotéis para o período da Páscoa subiram entre 4 a 5% face ao ano passado, prevendo-se mesmo que haja unidades com a capacidade lotada, segundo o presidente da Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), Elidérico Viegas.

Esta subida reflete o aumento da procura por parte dos turistas portugueses -- que vinha registando descidas sucessivas nos últimos seis anos --, mas também se explica pelo facto de este ano a Páscoa ser mais tarde, o que permite que as pessoas façam férias mais prolongadas, com temperaturas mais elevadas.

Na zona de Lisboa, também é esperada um aumento na taxa de ocupação. O administrador do Grupo Pestana, Luigi Valle, adiantou que "todas as unidades [do grupo na região de Lisboa] têm previsão de ocupações melhores que no ano passado, destacando-se a Pousada de Cascais, Cidadela Historic Hotel & Art District com um aumento de 20%".

Já o grupo Tivoli conta ter os três hotéis de Lisboa lotados neste fim de semana. "A nossa previsão de ocupação é de estarmos completos em todos os hotéis", disse Filipe Santiago, administrador de Marketing e Vendas da Tivoli Hotels & Resorts.

Também o grupo Vila Galé tem perspetivas positivas em relação este período.

"Para a região de Lisboa nos hotéis Vila Galé para a semana da Páscoa (Ópera, Estoril, Cascais, Palácio dos Arcos e Ericeira) temos uma taxa média de ocupação 86%. Comparativamente com o ano anterior para o período da Páscoa (que foi em março em 2013), 2014 está acima um ponto percentual", disse à Lusa a diretora de marketing do grupo, Catarina Pádua.

As previsões dos hoteleiros coincidem com as da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa, que espera este ano "um recorde de turistas vindos de Espanha, viajando de avião ou de carro", mas salienta que "também são aguardados muitos visitantes portugueses, em especial do norte do país".

Na região Norte, onde a Semana Santa de Braga é a "época alta" do turismo na cidade, as expectativas também são animadoras, com as taxas de ocupação a subirem, em relação em 2013, "especialmente" no segmento mais alto.

A cidade do Porto está a registar um "significativo" aumento da ocupação nos hotéis, "principalmente" por turistas espanhóis.

Segundo adiantou à Lusa o responsável pelo Turismo do Porto e Norte de Portugal, Marco Sousa, "o número de reservas aumentou, assim como aumentou o tempo de estadia".

Em Braga, "os dias que registavam mais procura eram a quarta, quinta e sexta-feira, mas este ano registou-se um significativo aumento de reservas para segunda, terça e para o fim de semana".

No Porto, as subidas registaram-se "especialmente no segmento mais alto", apontou Marco Sousa, salientando que "os hotéis mais em conta também registaram mais procura".

Em 2014, "o Porto manteve o mesmo nível de preços que em 2013, mas em Braga as unidades hoteleiras, em regra, aumentaram os preços". Apesar disso, o aumento da procura "surpreendeu" os responsáveis.

"Assim sendo, nesta Páscoa o nível de riqueza gerada vai ser superior. Maior do que as nossas expectativas" disse.

Segundo com um inquérito que a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) fez junto dos seus associados, a maioria da hotelaria nacional está otimista em relação ao período de Páscoa deste ano, comparado com anos recentes.

Mais de metade dos inquiridos (63%) acredita que a receita total durante a Páscoa deste ano vai superar a do ano passado, enquanto 21% pensa que se vai manter nos mesmos níveis e 15% diz esperar um pior resultado.

O inquérito realizou-se entre 28 de março e 03 de abril junto de 508 unidades hoteleiras, numa amostra de 28%.

Os hoteleiros "mais otimistas são os do Algarve e Lisboa, com 90% e 68% dos inquiridos, respetivamente, a considerarem que este será um período melhor que o do ano anterior", refere a AHP.