Novo Renault Twingo: Citadino cheio de estilo

Novo Renault Twingo: Citadino cheio de estilo
“É um smart? Não! É um 500? Também não! É o novo Twingo”. As semelhanças (apenas aparentes) com outros modelos do mesmo segmento não afectam a originalidade do novo utilitário da Renault, criado em pareceria com a smart e por isso confundível com o também novo forfour.
 
À excepção do pequeno 4 lugares do grupo Daimler, com quem partilha plataforma e vários componentes, o novo Renault Twingo é completamente diferente de todos os outros. Desde logo, pela tracção e pelo posicionamento do motor na retaguarda, combinação que a marca francesa já não utilizava desde 1971, com o célebre Renault 10.
Tal opção, sem dúvida, influenciada pela smart, resulta num melhor aproveitamento do espaço interior. Aqui basta dizer que, apesar de 10 cm mais curto do que na anterior geração, o Twingo viu aumentada a distância entre eixos em 12 cm, com benefícios claros na habitabilidade. Pior, apenas a capacidade da bagageira (188 litros).
Melhorada, e de que maneira, fica a maneabilidade do pequeno modelo, pois sem motor à frente há mais espaço para o novo sistema de direcção que permite um ângulo de viragem de 45 graus e inversão de marcha em apenas 4,30 metros.
Ou seja, estacionar o novo Twingo é quase uma brincadeira – melhor ainda com a câmara traseira que a versão topo de gama integra no monitor de 7’’ do sistema R-Link Evolution.
O interior do novo Twingo é simples, mas muito moderno e funcional.
Quanto ao nível de equipamento, é bastante satisfatório desde a versão base, com destaque para o sistema R&Go que, através de adaptador próprio, permite interligação e usufruto de todas as aplicações de um smartphone.
 
No que toca a motorizações, a versão Sport testada pelo JR incluía o já conhecido TCe de 0,9 litros, sujeito a pequenas alterações para caber na traseira do Twingo. Oferece 90 cv e binário de 135 Nm, o que chega a parecer supérfluo para um carro tão leve e pequeno, e consumos na ordem dos 5,3 l/100 km (4,3 l/100 km e 99g/km de CO2 anunciados pela marca). 
 
Em alternativa, para quem pretende um carro só para pequenas voltas ou para andar apenas na cidade, a versão SCe 70, composta por um bloco 1.0 de três cilindros, com 70 cv, 91 Nm de binário e consumos anunciados na casa dos 4,5l/100 km (105g/km CO2) tem um preço mais acessível (11.950€).
 
Paulo Parracho