Novo Hyundai Tucson 1.7 CRDI: Mais um candidato ao título

Novo Hyundai Tucson 1.7 CRDI: Mais um candidato ao título
Partilha mecânica e componentes com o irmão Kia Sportage, mas consegue ter uma imagem mais consensual. O novo Tucson, designação recuperada  para substituir o ix35, vai mostrar-se durante o Euro2016, competição em que a Hyundai é marca oficial.
 
Rivalizando com o Santa Fé, de segmento superior, o novo Hyundai Tucson é o mais atraente dos SUV produzidos pelo construtor sul-coreano. Em relação ao antecessor (ix35) ganha pontos nas dimensões (4,47 metros de comprimento e 1,85m de largura), com maior distância entre-eixos (2,67m), logo com habitabilidade reforçada e mais espaço na bagageira (513 litros). 
 
Mas o que mais salta à vista é o aspecto imponente e o desenho cuidado deste modelo, bem como a qualidade dos interiores e o nível de equipamento. A consola central é simples, mas revela maiores cuidados, nomeadamente quanto à qualidade dos plásticos, agradáveis ao toque. 
 
Os bancos proporcionam conforto compatível com a imagem que ostentam, sendo de realçar a posição de condução elevada que estes permite.
 
 
O ecrã táctil de 8'' é  o ponto de partida para  acesso às múltiplas opções de infoentretenimento que equipam o Tucson. 

 
 
Para além destes “gadget”, tão apreciados por quem procura este tipo de segmentos, o salto qualitativo verifica-se ainda na quantidade de sistemas de ajuda à condução disponíveis, tais como a travagem de emergência automática, aviso de mudança involuntária de faixa de rodagem e de ângulo morto, reconhecimento de sinais de trânsito e até a ajuda ao estacionamento (para além de sensores e de câmara traseira) em linha ou em fila, entre muitos outros.
 
 
Em Portugal, a comercialização do Tucson iniciou-se em Janeiro com aposta na motorização 1.7 CRDI, de 115 cv, e caixa manual de seis velocidades, ficando reservada para este mês a introdução da nova caixa automática '7DCT', associada a motor mais potente (141 cv). 
 
Para o utilizador comum, o 1.7 CRDI corresponde às exigências, seja no tráfego citadino ou em estrada, com os consumos a rondarem os 6,3 l/100 km, o que é manifestamente bom para um carro com 1540 kg. 
 
Os cinco anos de garantia oferecida pela marca comprovam que aqui não há reservas quanto à qualidade geral e, sobretudo, quanto à fiabilidade do modelo.
 
 
Paulo Parracho