Novo Hyundai i20: Influência europeia

Novo Hyundai i20: Influência europeia
É já um lugar comum falar do salto qualitativo verificado nos modelos Hyundai ao longo dos últimos anos. Certo é que em cada novo modelo lançado no mercado a marca sul-coreana consegue surpreender pela positiva, igualando os padrões de qualidade das principais marcas europeias. 
 
Exemplo disso é o novo i20. Idealizado, desenhado e fabricado na Europa (Turquia), assume posição de relevo no concorrido segmento dos utilitários, ganhando pontos à concorrência mais directa.
 
De imagem moderna, maior por dentro e por fora, com uma oferta equilibrada de motorizações e de níveis de equipamento, o i20 reivindica um estatuto até aqui só atribuído às chamadas marcas tradicionais.
Assente em nova plataforma, cresceu 40 milímetros face ao antecessor (4,03 metros), é 24 mm mais largo e tem uma maior distância entre eixos. Por isso, disponibiliza um habitáculo espaçoso, mesmo quando transporta cinco pessoas, e uma das maiores bagageiras do segmento.
 
Os materiais e o desenho do interior estão em linha com o que de melhor temos visto no segmento, com notório avanço na qualidade de construção e, clao, no nível de equipamento disponibilizado desde a versão de entrada na gama. 
 
Desta vez, saímos para rua com a versão Confort, dotada de um interessante nível de acessórios, como o controlo de velocidade, assistente ao arranque em subida ou um suporte para encaixe do smartphone e benefício de todas as suas aplicações. 
 
A marca ainda oferece um pack de ópticas de dupla projecção e jantes de liga leve de 16'', numa campanha que junta à garantia cinco anos de manutenção programada. É ainda possível dispor de sensores de estacionamento, luz e chuva, câmara de ajuda ao estacionamento e ecrã táctil de 7'' com sistema multimédia.
 
Em Portugal, a gama i20 é servida por três motores já conhecidos: 1.2 a gasolina nas variantes de 75 e 84cv e 11.1 turbo-diesel de 75 cv.
 
No teste efectuado pelo JR foi utilizada a motorização mais potente (1.2 de 84 cv), que se revelou competente, tanto em estrada como na cidade, e bastante económica, com consu,os na casa dos 5,3 l/100 km, não muito longe dos 4,7 l/100 km anunciados pela marca.
 
O conforto a bordo acompanha o comportamento do motor. Ou seja, estamos perante uma boa escolha, com preços a partir de 12.500 euros (1.2, 75 cv), sendo que a unidade ensaiada, repleta de extras fica por 16.140€.  
 
Paulo Parracho