Novo Corredor ecológico une mem Martins e Serra das Minas

Novo Corredor ecológico une  mem Martins e Serra das Minas
A intervenção de requalificação das margens da Ribeira da Lage, entre o Colégio D. Afonso V (Algueirão-Mem Martins) e o Parque Urbano da Serra das Minas/Alto do Forte (Rio de Mouro), abrange uma área total de 13,5 hectares, através da criação de um percurso pedonal e ciclável ao longo de 2,3 km, com um prazo de execução de 12 meses.
A valorização paisagística e ambiental da Ribeira da Lage, num investimento comparticipado em um milhão de euros no âmbito do Portugal 2020 (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional), contempla, ainda, a criação de zonas de estadia e valorização das existentes nas traseiras dos prédios, a qualificação dos espaços de produção hortícola e a introdução de medidas de mitigação de riscos de cheias.
Para o efeito, as medidas a desenvolver no âmbito dos trabalhos, adjudicados à empresa Toelta-Gestão de Investimentos e Concessões, incluem a limpeza e desassoreamento do leito da ribeira, erradicação de espécies vegetais invasoras, reforço e requalificação da galeria ripícola, plantação das margens altas do vale da ribeira e reforço estrutural das margens e recuperação/implementação de técnicas para diminuir a velocidade de escoamento do leito da ribeira. 
A construção do percurso pedonal e ciclável, assim como a requalificação de espaços públicos e equipamentos existentes, constituem os principais elementos da intervenção, que prevê a existência de cinco atravessamentos do curso de água, a recuperação integral de um parque infantil, criação de uma zona de ‘street workout’ e de um parque sénior e a instalação de um novo quiosque no Parque Urbano da Serra das Minas.
A valorização biofísica e paisagística dos terrenos envolventes à ribeira, em cerca de 7,8 hectares, inclui a instalação de quatro peças escultóricas de arte pública, alusivas ao ecossistema ribeirinho, e uma área de agricultura urbana ordenada com cerca de 1,5 hectares.
Para envolver a população local, o projecto prevê a realização de três iniciativas de valorização das margens ribeirinhas, com limpezas, plantações e colocação de sinalética, “como forma de educação ambiental  e envolvimento na consciência da importância da criação e gestão dos corredores ecológicos”.
A empreitada abrange, além da realização da obra do corredor pedonal e ciclável, os trabalhos de manutenção, ao longo de três anos, num custo de 53,6 mil euros.
A requalificação das margens da Ribeira da Lage é uma das prioridades da Área de Reabilitação Urbana (ARU) de Mem Martins e Rio de Mouro, delimitada em 2015 e que abrange um território de cerca de 150 hectares.
Durante a presidência aberta realizada esta segunda-feira, a autarquia apresentou, ainda, o projecto de requalificação do Largo das Mercês, numa área de intervenção de 4500 metros quadrados, que pretende reforçar o carácter do espaço enquanto centralidade urbana. Para além de dotar este local de condições para a realização de eventos culturais, o projecto contempla a ampliação das áreas verdes e reforço das zonas de estadia, com valorização da  ribeira.
A iniciativa foi aproveitada, ainda, para apresentar o estudo prévio do circuito ciclável e pedonal de Rio de Mouro ao Cacém, numa extensão de sete quilómetros e um investimento de 1,2 milhões de euros, metade do qual comparticipado por fundos comunitários. O circuito vai ligar Rio de Mouro Velho às zonas mais recentes da freguesia e ao Alto do Cacém, através da antiga estrada de Lisboa, efectuando um percurso que une os equipamentos estruturantes, interface e zonas de comércio e serviços. 
 
João Carlos Sebastião