Munícipe de Oeiras interpõe providência cautelar contra candidatura de Paulo Vistas

Munícipe de Oeiras interpõe providência cautelar contra candidatura de Paulo Vistas

Um munícipe de Oeiras e antigo elemento das candidaturas autárquicas de Isaltino Morais interpôs uma providência cautelar, já aceite pelo Tribunal local, contra a utilização do nome do ex-autarca na candidatura de Paulo Vistas, alegando "fraude eleitoral".
Em causa está a candidatura de Paulo Vistas às próximas eleições autárquicas pelo movimento independente Isaltino Oeiras Mais À Frente (IOMAF), pelo qual Isaltino Morais foi eleito presidente da câmara e Paulo Vistas vice-presidente.
"Considero que há aqui uma fraude eleitoral. Juntamente com o meu advogado fomos para a frente porque acho que estão a tentar enganar as pessoas. Então vão votar e ver no boletim o nome de Isaltino quando ele nem sequer é candidato", disse à Lusa Tiago Mendonça, delegado de licenciamento de direitos de autor, de 34 anos.
Paulo Vistas era o "braço direito" de Isaltino Morais e ficou à frente da Câmara Municipal de Oeiras depois de o antigo presidente do município ter sido detido, a 24 de abril, por fraude fiscal e branqueamento de capitais.
"Nem sei em quem vou votar. Simplesmente, acho que isto não é admissível. Sempre fui fiel a Isaltino e até integrei as listas em 2005 e 2009", criticou Tiago Mendonça, referindo-se aos cartazes de Paulo Vistas, nos quais o nome "Isaltino" aparece antes do nome do movimento "Oeiras Mais à Frente".
A agência Lusa confirmou que a providência cautelar interposta pelo munícipe na quarta-feira foi aceite pelo Tribunal de Oeiras e que o processo está a decorrer no terceiro juízo cível.
Contactado pela Lusa, Paulo Vistas disse estar seguro de que "não há qualquer problema" em avançar com a sua candidatura com a designação que tem.
"O doutor Isaltino Morais deu autorização para a continuidade do seu nome no movimento e o tribunal autorizou que pudesse ter essa designação, portanto, estou completamente seguro de que não isto não vai ter qualquer consequência", afirmou.
Paulo Vistas disse ainda que esta providência cautelar é uma "manobra baixa da candidatura de Moita Flores, pelo PSD".
"Ele [Tiago Mendonça] até chegou a trabalhar no meu gabinete e agora é apoiante da candidatura do PSD, portanto, eu sei que isto não é inocente. Eu bem sei que o nome Isaltino incomoda muita gente, mas nunca pensei que a candidatura do doutor Moita Flores enveredasse pela política baixa", declarou.
Paulo Vistas é candidato à Câmara de Oeiras pelo movimento independente Isaltino Oeiras Mais À Frente, bem como Moita Flores pelo PSD, Marcos Sá pelo PS, Daniel Branco pela CDU e Paulo Freitas do Amaral pelo CDS-PP.