Mundialito de futebol de praia vai ficar em Carcavelos durante seis a oito anos

Mundialito de futebol de praia vai ficar em Carcavelos durante seis a oito anos
Portugal vai ter como adversários as seleções do Brasil, China e Estados Unidos no Mundialito de futebol de praia, de sexta-feira a domingo, em Cascais, onde a prova se pode fixar mais "seis a oito anos".
   
Campeão do Mundo e da Europa em título, Portugal vai cruzar-se com o Brasil, campeão do mundo em quatro ocasiões, a China, que é uma das mais poderosas equipas da Ásia, e os Estados Unidos, uma das potências da CONCACAF.
 
"O torneio vai servir como preparação para o apuramento ao Mundial 2017. Acredito que vamos ter grandes jogos, uma luta muito grande, o que fará com que cada vez mais pessoas se interessem por esta modalidade", disse o selecionador, Mário Narciso, na apresentação da prova.
 
O 'capitão' da seleção, Madjer, falou em "torneio especial", lembrando que foi em Carcavelos onde se iniciou na modalidade.
 
Juan Cuscó, vice-presidente executivo da Beach Soccer Worldwide, revelou que a intenção da organização da prova é "estar em Cascais os próximos seis ou oito anos", depois de a competição ter passado pela Figueira da Foz e Espinho.
 
Paralelamente, o Mundialito vai integrar a Taça Europeia de futebol de praia feminina, com Portugal, Espanha, Suíça, Grécia, Holanda e Inglaterra.
 
“É um torneio especial. Quero agradecer à Beach Soccer Worldwide e à Câmara Municipal de Cascais. Foi aqui, em Carcavelos, que dei os meus primeiros passos como jogador desta modalidade. Todos os jogadores e treinadores consideram esta praia especial”, disse Madjer, o capitão da seleção nacional durante a conferência de imprensa, que decorreu hoje na praia de Carcavelos, em Cascais.
 
Mário Narciso, o selecionador nacional, considera que o torneio “irá servir como preparação para o apuramento do Mundial”, que se irá realizar para o ano, nas Bahamas. “Acredito que sejam grandes jogos, uma luta muito grande, e que fará com que cada vez mais pessoas se interessem por esta modalidade”, explica o treinador. O encontro entre Portugal e Brasil, marcado para domingo, é um dos mais esperados do Mundialito.
 
Por seu lado, Juan Cuscó, vice-presidente executivo da Beach Soccer Worldwide, explicou que queria “recomeçar a etapa em grande, depois da Figueira da Foz e de Espinho”. “A nossa intenção é estar em Cascais os próximos seis ou oito anos”, acrescentou o responsável.
 
Já Pedro Dias, director da FPF, destacou a tradição deste evento, e a “oportunidade de medir forças com uma das grandes potenciais mundiais, o Brasil.”
 
Ainda na conferência de imprensa, o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, referiu a “as condições ambientais” do local e o “forte investimento feito nesse sentido”. “Estando nós numa das melhores praias do mundo, tendo o melhor jogador do mundo da modalidade, o melhor selecionador do mundo e a melhor organização do mundo, esta competição será um hino ao futebol de praia”.
 
Com todos os olhos postos em Cascais até ao final de julho, Carcavelos irá também acolher a primeira edição da Taça Europeia de Futebol de Praia Feminino. Integrada no Mundialito masculino, que se realizará no mesmo local, esta competição contará com seis seleções participantes: a equipa anfitriã de Portugal, Espanha, Suíça, Grécia, Holanda e Inglaterra.